Cinema

Ruth é nome de código de Eusébio e um filme que transcende o futebol

Filme tem argumento de Leonor Pinhão e é realizado por António Pinhão Botelho. Ruth não é um filme sobre futebol, mas a narrativa de uma sociedade portuguesa em pleno regime fascista.

TIAGO PETINGA/LUSA

Ruth foi o nome de código de Eusébio na transferência para o Benfica, um ‘folhetim’ que alimentou o início da década de 60 e que atingiu não só a vida desportiva portuguesa, como os meandros políticos à época. Num filme apresentado esta quinta-feira à imprensa, a história é ‘revivida’ pela lente do realizador António Pinhão Botelho, com argumento da sua mãe, a jornalista Leonor Pinhão, e mostra, mais do que o futebol, a intriga e narrativa na contratação de Eusébio, disputado por Sporting e Benfica.

Vive-se o pior ano do regime fascista português, sob ameaça da ONU, e Eusébio é o grande tema das conversas entre Lisboa e Lourenço Marques, um jovem de 16 anos cuja habilidade acicata a rivalidade entre ‘leões’ e ‘águias’. O argumento de Leonor Pinhão, num filme que salta entre a comunidade de Lourenço Marques e a vida política e desportiva de Lisboa, conta cronologicamente a disputa e em como o Benfica acabou por agarrar a “pérola do Índico”.

Com diálogos de grande humor, o filme tem o ator Igor Regalla no papel de Eusébio, Fernando Luís como Maurício Vieira de Brito, então presidente do Benfica, Lídia Franco é a D. Otília, do lar do jogador do Benfica, ou Vítor Norte como Domingos Claudino, funcionário do clube. No Sporting, que terá apenas dito a Eusébio que viria à experiência, o presidente Brás Medeiros é o ‘culpado’ por não garantir a Eusébio um contrato, numa disputa que se arrastou mesmo após a chegada do jogador a Lisboa.

Politicamente, o filme mostra as influências leoninas nos ‘bastidores’ de ministérios e no Conselho jurisdicional da Federação Portuguesa de Futebol, num processo que arrastou no tempo a inscrição de Eusébio. O jogador ‘falhou’ a primeira Taça dos Campeões Europeus, mas, mais tarde, um acordo entre Benfica e Sporting de Lourenço Marques, por 400 mil escudos (2.000 euros ao câmbio atual) acabaria por viabilizar o que faltava. O argumento de Leonor Pinhão eleva o humor nos papéis cruciais dos benfiquistas de Lourenço Marques, em especial dos talhantes Mário Tavares de Melo e Albertino Malosso, cuja filha Ruth deu nome de código a Eusébio.

Os dois, juntamente com o major Rodrigues de Carvalho, arquitetaram a ida de Eusébio para Lisboa, com dois telegramas: um para o Sporting — para enganar o clube -, a dizer que Eusébio chegaria de paquete, e outro, para o Benfica, comunicando que Ruth estaria a chegar de avião, como aconteceu em dezembro de 1960. O filme de António Pinhão Botelho busca e filma as referências à época, desde o bairro pobre da Mafalala, de Eusébio, ao Scala de Lourenço Marques, ao café Avis e até à porta do restaurante Gambrinus, ambos em Lisboa, onde Catarino Duarte se prontificou a dar a Maurício Vieira de Brito os 400 contos de que o presidente do Benfica precisava.

Ruth não é um filme sobre futebol, mas a narrativa de uma sociedade portuguesa em pleno regime fascista, entre o poder da metrópole e a vida na colónia, num dos maiores folhetins de rivalidade clubística, com aquele que viria a ser um dos melhores jogadores do futebol da história. Uma nota para o início do filme Ruth, com o pai Laurindo Silva Ferreira representado por Paulo Furtado, músico conhecido pelo projeto The Legendary Tigerman, e que diz a um Eusébio de tenra idade que “o Benfica é como o direito romano, já existia antes de nascer”.

O filme, que conta no elenco com Fernando Luís, Álvaro Correia, Lídia Franco, Miguel Borges, Dinis Gomes, Vítor Norte, Ana Bustorff, Miguel Nunes, Maria Emília Correia, Rui Morisson, Anabela Moreira, José Raposo, Marco Delgado, Bruna Quintas, Teresa Madruga, Bruno Cabrerizo, António Nipita, António Simão, Josefina Massango, Luís Lucas, Marcello Urgeghe, entre outros, tem estreia prevista para 3 de maio.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)