“Pareço um menino aqui a chorar”, disse o tenista João Sousa instantes depois do match point que garantiria a Portugal a primeira vitória no Estoril Open. Aos 29 anos, o vimaranense agradeceu à família, aos amigos e à namorada. Depois desmanchou-se em lágrimas.

Nas fotografias, no entanto, são os sorrisos que ficam na recordação: João Sousa gritou quando se tornou campeão, deitou-se na terra batida, depois beijou o troféu que conquistou e bebeu o champanhe que lhe pertencia.

Do outro lado do campo estava o norte-americano Frances Tiafoe. Para quem não costuma seguir as andanças do ténis, talvez tenha ouvido falar deste jovem atleta há coisa de um ano quando a partida frente Mitchell Krueger no ATP Challenger teve de ser interrompido por causa dos gemidos de um casal que fazia sexo junto ao campo. Depois do peculiar momento, Frances acabou vencedor do jogo. Mas agora, volvido um ano, foi derrotado em Portugal por João Sousa. Mostrou-se frustrado, mas não demais: tem 20 anos e a carreira ainda mal começou.

Na terra batida a que chama casa, João Sousa conquistou o terceiro título da carreira em torneios ATP. Antes já tinha vencido em Kuala Lumpur e Valência, mas esta vitória soube-lhe melhor: “Sempre quis vencer em Portugal”, confessa aos jornalistas. Veja como celebrou João Sousa.