Rádio Observador

Futebol

Sporting goleia Valadares e conquista o bicampeonato nacional de futebol feminino

1.428

Sporting goleia Valadares por 4-1 em Alvalade e revalida o título de campeão nacional de futebol feminino, já depois de ter conseguido também ganhar a Taça de Portugal e a Supertaça no ano passado.

Sporting começou a perder mas conseguiu chegar ao 3-1 em cinco minutos e fez a festa em Alvalade

ANTÓNIO PEDRO SANTOS/LUSA

O Campeonato Nacional de futebol feminino teve este ano um Estoril mais forte, além de conjuntos sempre complicados de superar sobretudo na condição de visitados como o Vilaverdense, o Albergaria ou o Futebol Benfica. No entanto, olhando para a tabela classificativa, teve um ponto em comum: a luta pelo título resumiu-se às mesmas duas equipas, Sporting e Sp. Braga. E, mais uma vez, a formação verde e branca foi mais forte, conquistado o segundo título consecutivo este domingo.

Chegados à 21.ª e penúltima jornada da prova, as leoas comandadas por Nuno Cristóvão tinham apenas dois empates (Sp. Braga e Estoril), ao passo que as bracarenses somavam duas igualdades (Vilaverdense e Sporting) e uma derrota, à terceira jornada, na receção ao…. Sporting. Foi esse resultado que acabou por fazer toda a diferença, foi por causa desse resultado que houve festa esta tarde em Alvalade, depois do triunfo na receção ao Valadares por 4-1.

Lúcia Alves, um pouco contra a corrente do jogo, ainda adiantou as visitantes no marcador, mas o conjunto verde e branco conseguiu dar a volta e sair para o intervalo com uma vantagem confortável em apenas cinco minutos: aos 35′, na sequência de um grande trabalho na área, Diana Silva fez o empate; aos 38′, após um cruzamento bombeado para a área onde a defesa do Valadares não atacou a bola e Carole Costa cabeceou para 2-1; no minuto seguinte, depois de mais uma grande investida de Ana Borges pela direita, Ana Capeta apareceu ao primeiro poste e encostou de primeira para o 3-1. No segundo tempo, e materializando o domínio completo do jogo, Carole Costa bisou após nova assistência de Ana Borges (71′).

Com este resultado, o Sporting continua a dominar por completo o panorama do futebol feminino desde que regressou à modalidade, em 2016, após 21 anos de ausência: depois de terem ganho o Campeonato (praticamente decidido após o jogo em Alvalade com o Sp. Braga, ganho por 1-0 com um penálti aos 90′ de Solange Carvalhas), as leoas fizeram a dobradinha no Jamor conquistando a Taça de Portugal no prolongamento frente às minhotas por 2-1 e ganharam também no início da presente época a Supertaça, de novo com as arsenalistas, de novo no prolongamento (3-1) e de novo com Ana Capeta a ser o trunfo lançado do banco para decidir. Agora, ao quarto troféu, o quarto triunfo. E ainda falta jogar a segunda mão da meia-final da Taça de Portugal frente ao Estoril (1-0 no primeiro jogo), que pode dar mais uma final com o Sp. Braga.

A equipa de Nuno Cristóvão esteve ainda presente no grupo 8 da fase de qualificação para a Liga dos Campeões, somando duas vitórias (2-0 com o MTK Budapeste, 4-1 com o Hajvalia) e uma derrota (2-1 com o BIIK Kazigurt).

“Os verdadeiros culpados de todo este sucesso são os nossos sócios, os nossos adeptos. Têm acreditado neste projeto, que é um Sporting cada vez mais eclético e vencedor, cada vez com mais conquistas. É o segundo ano de modalidade, o segundo ano que somos campeões, e vê-se a alegria das atletas em representar este clube. Este tem de ser o nosso projeto, não interessa se é o primeiro ano, o segundo ou o terceiro, se as outras equipas já estão muito mais adiantadas do que nós. Temos de chegar e responder desta forma, ser campeões e dar estas alegrias aos sportinguistas. Eles é que são os principais obreiros”, comentou no final Bruno de Carvalho, presidente do Sporting, que esteve presente no jogo e na entrega da taça.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: broseiro@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)