Rádio Observador

Passadeira Vermelha

Caras portuguesas, vestidos de sonho e um manifesto feminista. O Festival de Cannes continua

124

O Festival de Cannes vai a meio e já voltámos a olhar para a passadeira vermelha. Além de atrizes e modelos internacionais, o último fim de semana teve caras portuguesas e um manifesto feminista.

Até dia 19 de maio, todas as atenções estão em Cannes. O mais importante festival de cinema francês, que chega à 71ª edição, teve um fim de semana preenchido. Pela passadeira vermelha desfilaram vestidos deslumbrantes, supermodelos, atrizes de Hollywood e até caras portuguesas. No sábado, dia 12, 82 mulheres juntaram-se na famosa escadaria do festival num momento simbólico contra as desigualdades salariais entre homens e mulheres na indústria cinematográfica.

O movimento foi encabeçado por caras bem conhecidas. Cate Blanchett, presidente do júri desta edição do Festival de Cannes, Salma Hayek e Marion Cotillard estiveram entre as 82 mulheres que posaram para as câmaras na icónica escadaria do Grande Auditório Louis Lumière. “As mulheres não são uma minoria no mundo, ainda que o atual funcionamento da nossa indústria diga o contrário”, afirmaram através de um manifesto, lido em voz alta por Cate Blanchett, em inglês, e pela realizadora de 89 anos Agnès Varda, em francês. “Como mulheres, todas enfrentamos os nossos próprios desafios, mas estamos juntas nestas escadas hoje como um símbolo da nossa determinação e compromisso com a mudança”, continuaram.

No sábado, mais de 80 mulheres encheram a escadaria, numa manifestação pelas desigualdades salariais na indústria do cinema. © LOIC VENANCE/AFP/Getty Images

Enquanto isso, o desfile continuou na passadeira vermelha, ao longo dos últimos dias. Cate Blanchett tem sido o centro das atenções. Depois de ter impressionado com um vestido preto de renda Armani Privé, na abertura do festival, a imagem da atriz australiana a usar um vestido às flores de Mary Katrantzou, designer grega sediada em Londres, correu mundo. Na realidade, esta foi uma das escolhas menos clássicas de Blanchett. O que ao longe parece um padrão floral tradicional é, na verdade, um motivo que alude aos livros de colorir com números. Na linha da coleção primavera-verão 2018 de Katrantzou, a inspiração chegou diretamente da infância da criadora. Parece que o vestido foi para cima de trabalhoso. Foram três semanas de bordados à mão só para uma noite em Cannes. Depois disso, Cate já regressou aos vestidos pretos. No sábado, vestiu uma criação Armani de toque acetinado.

Além de atrizes, a passadeira vermelha de Cannes tem sido reclamada também por modelos. Bella Hadid tem sido uma das presenças mais frequentes, mas Naomi Campbell, Natasha Poly, Winnie Harlow, Hailey Baldwin, Kendall Jenner, Joan Smalls, Elsa Hosk, Irina Shayk e Stella Maxwell também pisaram a Riviera f5rancesa. O Brasil também tem estado bem representado. Vimos Camila Coelho logo na primeira noite do festival. Depois dela, já foram avistadas as atrizes Mariana Ximenes, Bruna Linzmeyer e Bruna Marquezine e a modelo Izabel Goulart.

Mas Portugal também teve a sua cota parte no espetáculo. As atrizes Rita Pereira e Kelly Bailey andaram por lá, tal como a fadista Gisela João, que se juntou ao evento no papel de embaixadora da Magnum. Joana Barrios, também atriz, esteve no festival a propósito da estreia do filme Diamantino, de Gabriel Abrantes e Daniel Schmidt. Sara Sampaio honrou a tradição e desfilou na red carpet de Cannes e não só. A Chopard deu uma das festas mais cobiçadas da temporada e a modelo portuguesa esteve lá.

Na fotogaleria, veja  looks mais marcantes dos últimos dias do Festival de Cannes.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mgoncalves@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)