Editoras

A Sextante renasceu e está cheia de tesouros para descobrir

270

Cumpridos dez anos, a Sextante recebeu um "novo sopro". Com uma nova linha editorial, que se estruturará sobre dois pilares, a editora promete trazer à livrarias os "tesouros" perdidos da literatura.

Os primeiros livros da nova Sextante chegam às livrarias esta quinta-feira

Cumpridos dez anos da sua fundação, e depois de um curto interregno, a Sextante está de volta com uma nova linha editorial que promete trazer às livrarias “notáveis escritores contemporâneos” — no seguimento do trabalho que tem vindo a ser desenvolvido desde 2007 — e os “tesouros” perdidos da literatura mundial. Os primeiros cinco títulos estão disponíveis a partir do final desta semana, e espelham bem o que pretende ser esta Sextante “renascida”.

Durante a apresentação da nova Sextante, esta terça-feira, em Lisboa, o editor João Rodrigues explicou que, “cumpridos dez anos de atividade editorial”, estava na altura de “imprimir um novo sopro” à editora, fundada em 2007 e desde 2010 parte do grupo Porto Editora. Assim, a partir de agora, o catálogo da editora assentará em “dois pilares principais”: uma coleção de autores estrangeiros contemporâneos, uma aposta da Sextante desde a sua criação, e uma outra de grandes “romances populares” da literatura mundial, que fazem parte do imaginário de muitos leitores.

Da primeira, serão publicados, já esta semana, três títulos: Calibre 22, o novo livro do brasileiro Rubem Fonseca, O Mar, a obra maior do irlandês John Banville, que lhe valeu o Man Booker Prize em 2005, e Aquiles, romance póstumo do mexicano Carlos Fuentes. Até ao final do ano, a editora promete publicar muitos outros, de autores como Ismail Kadaré, Patrick Modiano, Dasa Drndic, Ralf Rothmann  e Donald Ray Pollock, alguns deles inéditos em Portugal.

Os Três Mosqueteiros, de Alexandre Dumas, e A Ilha do Tesouro, de Robert Louis Stevenson, são os primeiros títulos da nova coleção “Biblioteca dos Tesouros”

Em relação à segunda, uma coleção intitulada “Biblioteca dos Tesouros”, serão editados dois livros famosos: Os Três Mosqueteiros, de Alexandre Dumas, e A Ilha do Tesouro, de Robert Louis Stevenson. Tanto um como outro incluem as versões integrais dos textos originais, novas traduções e ilustrações da época (no caso de A Ilha do Tesouro, foram reproduzidas os desenhos da primeira edição). Todas as obras da “Biblioteca dos Tesouros” terão edições cuidadas, em capa dura. O objetivo é, nas palavras da editora, “dar aos leitores acesso a livros de qualidade, que os aliciem, entusiasmem e desafiem”.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rcipriano@observador.pt
PSD

Ao centro, o PSD não ganhará eleições /premium

João Marques de Almeida

Rio, que não perde uma ocasião para evocar Sá Carneiro, não aprendeu a sua principal lição: o PSD só chega ao poder quando lidera uma alternativa aos socialistas. Não basta esperar pelo fracasso do PS

Futebol

Sobre o futuro próximo de José Mourinho

António Bento

No frio e previsivelmente longo Inverno de 2018-2019 a pele de José Mourinho não é boa de se vestir, como se vê por uma parte significativa das suas declarações à imprensa desde que foi despedido.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)