Os carros eléctricos alimentados a bateria são o futuro – pelo menos, de imediato. Mas o seu sucesso depende de os conseguirem manter afastados, tanto quanto possível, da rede eléctrica. Isto porque se todos os condutores quiserem recarregá-los ao mesmo tempo, não há rede que resista. Vai daí, os construtores seguem as pisadas da Tesla, fornecendo soluções integradas para que os proprietários de carros a bateria carreguem sempre que possível os seus veículos em casa.

Se a Tesla tem o seu terreno de ensaio nos EUA, a Nissan optou por testar o sistema doméstico, que denomina Nissan Energy Solar, no Reino Unido. Aos residentes, a marca japonesa propõe sistemas integrados, com painéis solares que geram energia eléctrica, baterias estacionárias que a armazenam, para ser utilizada nas necessidades da casa e até do carro e, como não podia deixar de ser, um sistema inteligente que faça a gestão disto tudo. O que inclui contadores bidireccionais e veículos como o novo Leaf, cujo sistema eléctrico pode abastecer-se de energia da rede (ou da bateria estacionária), ou fornecê-la, assegurando as necessidades da casa.

O Observador já aqui tinha falado desta possibilidade, mas o projecto já arrancou e clientes não faltam, uma vez que a Nissan garante uma redução de 66% da factura mensal de energia. Isto é tanto mais importante quanto no Reino Unido já existem mais de 880.000 pessoas a recorrer a painéis solares, com aquele país (ao contrário do que acontece em Portugal) a fornecer condições vantajosas a quem recorre à auto-geração de energia eléctrica. Aos clientes do novo sistema, a Nissan permite escolher se desejam utilizar baterias novas na sua residência (como estacionárias, que basicamente são idênticas aos packs utilizados no Leaf), ou baterias usadas, ganhando o cliente no preço e a Nissan também, pois não tem de lidar com a reciclagem da bateria velha, opção tão cara quanto poluente.

Em termos de preço, a Nissan propõe várias soluções, dependendo das necessidades energéticas de cada um, com a solução mais em conta a começar nos 4.333€. Isto inclui um sistema de produção de electricidade composto por seis painéis solares, bateria doméstica e sistema de gestão. Para incentivar o recurso a soluções como esta, que beneficiam os particulares, mas igualmente o país, o Reino Unido taxa-a com um IVA reduzido de apenas 5%, entre outras vantagens, o que torna o investimento mais atractivo.