Literatura

Prémio Camões. Presidente da República de Cabo Verde diz que “não podia haver melhor notícia” para o país

O chefe de Estado cabo-verdiano considerou esta segunda-feira a atribuição do Prémio Camões a Germano Almeida uma "ótima notícia" para o escritor e para o país.

MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

O chefe de Estado cabo-verdiano considerou esta segunda-feira a atribuição do Prémio Camões a Germano Almeida uma “ótima notícia” para o escritor e para o país, fazendo votos para que o terceiro galardão não demore mais nove anos. O escritor cabo-verdiano Germano Almeida foi esta segunda-feira distinguido com o Prémio Camões 2018, o segundo atribuído a Cabo Verde depois do poeta Arménio Vieira, em 2009.

“É uma ótima notícia para ele em primeiro lugar, para a literatura cabo-verdiana, para os escritores cabo-verdianos e para Cabo Verde. É um importante galardão literário, seguramente o mais conhecido de língua portuguesa, e termos um prémio Camões nove anos depois do primeiro é muito bom”, disse Jorge Carlos Fonseca. O Presidente da República de Cabo Verde reagia, em declarações aos jornalistas na cidade da Praia, à atribuição do galardão àquele que é o escritor cabo-verdiano mais traduzido.

Para o chefe de Estado, além da obra e do trabalho de Germano Almeida, o prémio reconhece também o “que se tem feito em Cabo Verde em termos de literatura”. “Vai levar a que a nossa literatura seja mais conhecida e pode ajudar a potenciar o conhecimento de Germano Almeida, da nossa prosa de ficção, da nossa literatura e dos nossos escritores no geral. Não podia haver melhor notícia para o país neste momento. É ótimo para a nossa autoestima”, sublinhou.

Jorge Carlos Fonseca assinalou também a “coincidência feliz” de a distinção acontecer numa altura em que Cabo Verde se prepara para assumir a presidência da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP), cujo lema é “Cultura, pessoas e oceanos”. “É um bom elemento do ponto de vista do que deve ser a cimeira do Sal”, disse, numa alusão à reunião de chefes de Estado lusófonos, agendada para 17 e 18 de julho, na ilha do Sal, e que marca a passagem do testemunho da presidência da organização do Brasil para Cabo Verde.

Sobre a escrita e obra de Germano Almeida, Jorge Carlos Fonseca destacou a “criatividade, a exuberância, o humor e a capacidade inventiva nas histórias que escreve e descreve, seja nos romances, seja nos contos ou novelas”. O chefe de Estado, que é também escritor, lembrou ainda que Germano Almeida está a lançar o seu novo livro, considerando que a altura para receber o prémio não podia ser melhor.

“Ganhar o prémio nas vésperas do lançamento daquilo que ele diz que é o seu primeiro romance é o melhor, é acertar “na mouche”. Fico muito feliz como Presidente da República, como Jorge Carlos Fonseca e como escritor. Foi isso mesmo que lhe disse ao telefone”, adiantou. “Talvez fosse um prémio já esperado ainda que nove anos tenha parecido pouco tempo para o segundo Prémio Camões, esperamos que o próximo prémio Camões de Cabo Verde não demore tanto tempo”, acrescentou.

Germano Almeida foi hoje anunciado como o vencedor do Prémio Camões 2018, após reunião do júri, no Hotel Tivoli, em Lisboa. Com a atribuição do Prémio Camões é prestada anualmente uma homenagem à literatura em português, recaindo a escolha num escritor cuja obra contribua para a projeção e reconhecimento “do património literário e cultural da língua comum”, segundo o protocolo estabelecido entre Portugal e o Brasil, assinado em junho de 1988, que instituiu o prémio.

“Com este prémio, pretende-se ainda estreitar e desenvolver os laços culturais entre toda a comunidade lusófona, pelo que a este evento se associam os outros Estados de língua oficial portuguesa”, sublinhou o comunicado do Ministério da Cultura, que anunciou a entrega do galardão. O Prémio Camões foi atribuído pela primeira vez em 1989, ao escritor português Miguel Torga e, na mais recente edição, em 2017, foi entregue ao poeta Manuel Alegre.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)