O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, considerou esta quarta-feira que a morte de Júlio Pomar constituiu uma “imensa perda” para Portugal e “todo o mundo” das artes e da cultura, frisando que sempre admirou a sua obra.

O artista plástico Júlio Pomar morreu na segunda-feira aos 92 anos no Hospital da Luz, em Lisboa.

Numa mensagem enviada à agência Lusa, o antigo primeiro-ministro António Guterres salienta que “o desaparecimento de Júlio Pomar é uma imensa perda para Portugal, desde logo, mas também para todo o mundo das artes e da cultura”. “É um pintor cuja obra sempre admirei enormemente. Devo dizer, aliás, que tenho dois quadros de Júlio Pomar no meu gabinete, nas Nações Unidas”, apontou António Guterres.

O secretário-geral das Nações Unidas destaca ainda o quanto lhe enche “do maior orgulho” o facto de os quadros que de Júlio Pomar que tem no seu gabinete, em Nova Iorque, “serem muito apreciados por todas as pessoas” que os observam.

Pintor e escultor, nascido em Lisboa em 1926, Júlio Pomar é considerado um dos criadores de referência da arte moderna e contemporânea portuguesa. O artista deixa uma obra multifacetada que percorre mais de sete décadas, influenciada pela literatura, a resistência política, o erotismo e viagens a lugares como a Amazónia, no Brasil.