Rádio Observador

Santo António

Centro de Lisboa vai parar ao trânsito no Santo António a partir das 18h

117

O trânsito vai estar cortado a partir da Avenida Mouzinho de Albuquerque, junto ao viaduto antes da estação de Santa Apolónia, e estará apenas transitável para transportes públicos.

Autor
  • Agência Lusa

O centro de Lisboa vai estar cortado ao trânsito terça-feira devido às festas da cidade, e “várias dezenas” de polícias vão reforçar a segurança das ruas da capital, anunciou esta sexta-feira o Comando Metropolitano de Lisboa da PSP (COMETLIS).

“O centro de Lisboa vai parar ao trânsito no dia 12 [de junho] a partir das 18h00”, no ponto alto das Festas de Lisboa e onde são esperados vários milhares de pessoas, vincou o subintendente da PSP Paulo Flor aos jornalistas, durante uma conferência de imprensa.

O trânsito vai estar cortado a partir da Avenida Mouzinho de Albuquerque, junto ao viaduto antes da estação de Santa Apolónia, e estará apenas transitável para transportes públicos.

“Quem vem na Avenida 24 de julho, ao chegar ao IADE – Instituto de Artes Visuais, Design e Marketing, vira em direção à Assembleia da República, não vai até ao Cais do Sodré”, esclareceu Paulo Flor, adiantado que “o mesmo vai aplicar-se a todas as ruas interiores, [como] a Rua da Boavista, a Rua de São Bento, que confluem para o interior da cidade”, porque ao final da tarde se iniciam as “montagens de arraiais”.

Relativamente à zona norte da cidade, a polícia refere que “o Marquês de Pombal e toda a envolvente” vão estar cortados entre a Avenida Fontes Pereira de Melo até ao Largo do Rato.

Devido aos Casamentos de Santo António “toda a envolvente à Sé de Lisboa também terá condicionamentos” e a PSP recomenda às pessoas que pretendam assistir à cerimónia que se desloquem a pé ou de transportes públicos.

A PSP adiantou também que vai reforçar o número de polícias nas ruas de Lisboa na véspera e madrugada do feriado municipal, naquela que consideram ser a “noite mais longa da cidade”. O subintendente Paulo Flor referiu que o reforço policial vai ser, sobretudo, “para as zonas mais históricas” da cidade, acrescentando que, face aos condicionamentos de trânsito, a polícia não podia recorrer “exclusivamente” a carrinhas e carros de patrulha.

Por isso, vão ser destacadas “várias equipas em vários pontos estratégicos”, junto aos bairros onde decorrem os arraiais, e que “vão estar reforçadas com equipas de intervenção rápida e de prevenção de reação imediata” e também com o corpo de intervenção da PSP.

A PSP falou em “várias dezenas de polícias” durante a noite de Santo António, com “uma grande componente de recursos humanos”, na Avenida da Liberdade e em zonas como o Marquês de Pombal, na Rua Braamcamp, Restauradores e Rossio. Paulo Flor explicou que vai haver “uma densificação de policiamento nessa zona da cidade até às 01:00”, que depois se vai deslocar para os “bairros históricos” junto a pontos “sensíveis de arraiais” e “onde, por norma, há mais desacatos”.

Como medidas de segurança adicionais, a polícia vai colocar “carris anti-veículos”, para impedir a passagem de carros, e “ouriços metálicos” em alguns dos “pontos de cortes de trânsito”, onde se espera “um grande aglomerado de pessoas” como o Marquês de Pombal e o Rossio.

A PSP avisou ainda que vai haver um “reforço quer na entrada, quer na saída” da cidade e que, por uma “questão de prevenção, na madrugada de 13 de junho é natural que, em percursos feitos para sair de Lisboa,” haja fiscalização de trânsito.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)