Rádio Observador

Lifestyle

Em busca da sardinha mais apetecida

Lisboa em junho é um arraial! Em todos os cantos da cidade há música e os cheiros a sardinha assada e o manjerico chamam para a festa

Os fogareiros já estão acesos e neles perfilam-se as sardinhas mais suculentas. De bairro, em bairro, de baile em baile, vamos… juntem os amigos, a animação está garantida e difícil será escolher onde ir. A véspera do feriado de Lisboa é a noite forte dos festejos, mas durante todo o mês há muitos sítios por onde provar uma bela sardinha. O Observador Lab dá-lhe uma ajuda para conquistar a mais apetecida.

Alfama, menina e moça

Festejar o Santo António é sinónimo de Alfama. São muitos os arraiais, uns mais antigos, outros improvisados e outros até nada convencionais. Se há bairro que vibra com as festas populares é mesmo o mais antigo da cidade. Sempre típico enche-se de cor, com fitinhas e balões e muitos cravos com quadras ao santo casamenteiro: “Ó meu rico santo António vim aqui para te olhar, mas não quero sair de cá, sem um noivo para casar”! A sardinha não falta às mesas sempre acompanhada do melhor vinho. Vale a pena experimentar porque a sardinha não se mede aos palmos, apesar de pequenas, são inesquecíveis.

Cheia de Graça…

Subindo até à Graça não faltarão motivos para continuar a trautear as quadras populares, com o arraial da Vila Berta a fazer as honras do bairro. A antiga vila operária é já uma paragem obrigatória e onde as sardinhas fazem um “mano a mano” saudável com as bifanas e até o caldo verde.

Ibis Liberdade

O Hotel ibis Lisboa Liberdade está localizado no centro de Lisboa e a sua localização privilegiada permite chegar ao centro histórico e zonas emblemáticas como o Bairro Alto, Chiado e Marquês de Pombal em apenas 3 minutos a pé. Provido de diversos transportes públicos e ótimos acessos pelas principais vias rodoviárias, este hotel ‘100% não-fumadores’ dispõe de 70 quartos, bar, estacionamento coberto e acesso Wi-Fi à internet gratuito.

Endereço: Rua Barata Salgueiro 53, 1250-043 Lisboa, Portugal
Contactos: Tel: (+351)213300630
Fax: (+351)213300631
Mail: h3137@accor.com

Já em São Vicente

No bairro de São Vicente também ninguém dorme na noite do dia 12 de junho. Na voz do Operário a festa acontece todos os dias do mês e, este ano, no Centro de Cultura Popular de Santa Engrácia há dois arraiais especiais: no sábado, dia 16, o Arraial Paladin, e no dia 23 o Arraial Solidário. As sardinhas descansam no pão de milho e prová-las já faz parte do percurso. Recomendamos!

Ibis Liberdade

ABACApress/Alexandre Oliveira

Pela Mouraria acima a chegar ao Castelo

Da Mouraria ao Castelo é um pulinho em passos de dança e ao som de música popular. Poderão aproveitar o arraial de S. Tomé, junto ao castelo, ou celebrar todos os fins-de-semana de junho as festividades no Grupo Desportivo da Mouraria.
Sardinhas aqui não faltam! Vai ser um mês para aproveitar este apetecível petisco.

“Cheira bem, cheira a Lisboa”

A busca pela sardinha mais apetecida pode continuar descendo à Baixa e ao Chiado e espreitando a Praça da Alegria que vai animar as noites com música ao vivo e no dia 17 têm ainda preparada uma tarde de fados.
O fumo dos fogareiros e o cheiro da sardinha assada continua a guiar o caminho pelas festas populares e, subindo ao Bairro Alto pinta-se um manjerico a cada mão. Ao encontrar a Bica, já se sabe o que se espera: “A Bica é linda!”. Noites quentes e bem animadas, com a Calçada da Bica Grande a encher-se de alegria e muita música para dançar, aqui bem diferente da popular.

Sardinhas apetecida e com preço acessível

  • Os bailaricos são gratuitos
  • Sardinha mais apetecida salta da brasa com preços que podem oscilar entre o 1,50 e os 3 euros.
  • A acompanhar um caldo verde ou um prato de moelas, pode levar mais uns dois euros cada
  • Para beber, a rainha da noite é a cerveja, que se for em copo pequeno pode custar um euro ou se for uma lata dois euros.
  • Mas com vinho também se celebram os santos populares e nos muitos arraiais vende-se à garrafa ou ao copo.

 

Rumo à Madragoa

Já no arraial de Santa Catarina ouve-se cantar bem alto um “Cheira bem, cheira a Lisboa” e descendo à Madragoa a festa de arromba é para continuar no Vendedores de Jornais de Futebol Clube ou no Arraial de Santos. Já para os lados de Alcântara, na Academia de Santo Amaro, há que experimentar aquele que tem sido considerado um dos melhores arraiais da cidade.

Na colina de cima

Se mesmo assim as colinas visitadas não forem suficientes, então não perca as entradas mais recentes. Príncipe real, a Estrela e Campo de Ourique também estão no mapa das festividades populares. Muitos petiscos, prova de vinhos e o arraial CACO sempre a dar que falar. A Sociedade Musical Ordem e Progresso também já tem os fogareiros na rua e, este ano, as panelas a fumegar com os caracóis para provar. Campolide também se engalanou e até tem um cartaz digno de festival, com o rei da música popular, Quim Barreiros, a Rosinha, a Ruth Marlene e o famosos Herman José a brilhar nas festas juninas.
E quem ainda tiver vontade de experimentar outras sardinhas e dar um pezinho de dança por outros bailaricos, pode afastar-se do centro, mas continuar a folia: Parque das Nações, Olivais, Lumiar, Benfica e Carnide são alguns pontos da cidade que também se vestem de cor e manjericos para celebrar o mês mais popular.

Ibis José Malhoa

O Hotel ibis Lisboa José Malhoa, 100% não-fumador, está localizado numa zona mais calma da cidade de Lisboa, mas com ótimos acessos de carro ou transportes públicos ao centro da cidade. Possuiu 211 modernos quartos e restaurante, estacionamento privativo e acesso Wi-Fi à internet.

Endereço: Avenida José Malhoa Nr. 10, 1070-158 Lisboa, Portugal
Contactos: Tel: (+351) 217235700
Fax: (+351) 217235701
Mail: h1668@accor.com

Para descansar não vá muito longe

E quando os fogareiros se apagarem e os pés começarem a queixar-se de tanto dançar, é tempo de descansar.
Não precisa ir muito longe, porque no dia seguinte a festa vai continuar, pode ficar mesmo no centro da cidade. O Ibis oferece duas ótimas opções: O Ibis Liberdade, a poucos minutos de muitos destes arraiais e o Ibis Malhoa, numa zona mais calma, mas muito bem localizado para quem quer permanecer perto das festas.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Conteúdo produzido pelo Observador Lab. Para saber mais, clique aqui.
Partilhe
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: obslab@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)