Santos Populares

Sardinha a 1,50 euros nos arraiais de Lisboa

Os turistas estrangeiros continuam a ser o principal público a passar pelo arraial de Alfama, mas os comerciantes asseguram que há um ano "havia mais afluência de pessoas".

antonio silva/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

No bairro de Alfama, em Lisboa, a sardinha vende-se a 1,50 euros, preço que se mantém igual a outros anos, mas os comerciantes queixam-se de haver menos pessoas nos arraiais deste ano.

“A sardinha é a página da frente do arraial”, contou à agência Lusa Raquel Chaves, de 31 anos, responsável pelo “Retiro Tia Alice”, em pleno bairro de Alfama, na freguesia de Santa Maria Maior, em Lisboa. A comerciante afirmou que o preço da sardinha “subiu um pouco”, em relação ao ano anterior, mas houve necessidade de manter a 1,50 euros a unidade – vendida no pão – porque, este ano, a adesão por parte dos turistas “está fraca só por si”. “Nota-se bastante, tanto nas mesas como na rua”, lamentou.

Raquel Chaves assegurou que “a sardinha continua a ser o mais vendido, mas há uma quebra nos outros produtos”, e que o “Retiro da Tia Alice” compra congelada, uma vez que a fresca “não vale a pena, porque fica seca quando vai à chapa”.

Os turistas estrangeiros continuam a ser o principal público a passar pelo arraial de Alfama, mas há um ano “havia mais afluência de pessoas”, assegura a comerciante.

Mais acima, no “Retiro da Recoqueira”, Ana Palma, de 34 anos, disse à Lusa que o negócio este ano “tem corrido bem”, mas “não se tem visto tantas pessoas como nos outros anos”. “Não sei se é por haver mais arraiais por Lisboa”, questionou. A sardinha também está a 1,50 euros a unidade e a comerciante vincou que “há sete anos que está igual”.

“As pessoas já se queixam que vir aos santos é caro. Enquanto der para manter, vamos deixar assim o preço”, justificou Ana Palma, elencando que também compram sardinha congelada “porque é mais prático”. Pelo retiro da “Recoqueira” já passou “um pouco de tudo”, inclusive turistas das zonas “do Alentejo e do Porto”.

Cecília Lopes é a responsável pelo “Retiro Tia Beatriz” e assegurou que a sardinha está também a 1,50 euros, um preço que considera ser “acessível”. A responsável de 59 anos assegurou que as restrições à pesca da sardinha não afetaram o negócio e que no “Retiro da Tia Beatriz” também se optou pela sardinha congelada.

“Nós aqui trabalhamos mais à base de sardinha congelada, mas boa”, assegurou a comerciante, esclarecendo que “os clientes já estão habituados”. O mais pedido “é sempre a sardinha”, mas houve “um bocadinho de quebra” no volume de vendas em relação ao mesmo período no ano passado.

Cecília Lopes saiu de Alfama e mudou-se para uma habitação social, na Rua dos Sapadores, e explicou à Lusa que regressar para as Festas de Lisboa dá “um pouco mais de alegria por não viver cá”. “[O negócio] já vem dos nossos antepassados e vai passando para os nossos filhos”, rematou.

O “Retiro Mãe e Filhos”, localizado no centro do arraial de Alfama, é um dos mais procurados pelos turistas, e Tina Costa, a responsável, diz que a sardinha está entre um euro e 1,50 euros. O peixe é “fresco” e a comerciante de 59 anos disse à Lusa que por dia são vendidas “umas cinco caixas”, levando cada “à volta de dez quilos”.

Apesar de a sardinha ter saída para os turistas que visitam o bairro, o negócio “vai andando devagarinho”. “Acho que o ano passado foi o melhor”, confessou Tina Costa, afirmando que espera “uma quebra” depois do feriado municipal, na quarta-feira. Os turistas estrangeiros são os que mais visitam o bairro de Alfama, “mas o português vem sempre”.

O ponto alto das Festas de Lisboa deve acontecer entre terça-feira e quarta-feira, e até ao final do mês há arraiais por toda a cidade.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Arrendamento

A coisa /premium

Helena Matos
309

Programas para proprietários que antes de regressarem à aldeia entregam ao Estado as suas casas para arrendar. Torres com 300 apartamentos. O arrendamento tornou-se na terra da intervenção socialista

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)