Viana do Castelo

Empresários de Viana dizem que fecho da CGD de Darque é “erro estratégico”

Empresários de Viana do Castelo afirmam que a decisão de fechar a CGD de Darque "só pode revelar um profundo desconhecimento da região onde a referida agência está inserida".

ARMÉNIO BELO/LUSA

A Associação Empresarial de Viana do Castelo (AEVC) manifestou esta quinta-feira “indignação” e “preocupação” pelo encerramento da agência de Darque da Caixa Geral de Depósitos (CGD), anunciado para o final do mês, considerando tratar-se de um “erro estratégico”.

A decisão “só pode revelar um profundo desconhecimento da região onde a referida agência está inserida”, diz em comunicado a AEVC, que representa cerca de duas mil empresas, 180 das quais situadas nas nove freguesias da margem esquerda do rio Lima afetadas pelo encerramento daquele balcão.

“A evidência deste equívoco traduz-se no anacronismo de encerrar uma agência que está inserida numa das zonas mais desfavorecidas, info-excluídas e envelhecidas da cidade de Viana do Castelo”, sustenta a instituição, liderada por Luís Ceia.

[FrameNews src=”https://s.frames.news/cards/lucros-da-cgd/?locale=pt-PT&static” width=”300px” id=”139″ slug=”lucros-da-cgd” thumbnail-url=”https://s.frames.news/cards/lucros-da-cgd/thumbnail?version=1501858302834&locale=pt-PT&publisher=observador.pt” mce-placeholder=”1″]Para a AEVC, o “grave reflexo desta gestão incoerente está no completo alienamento relativamente às alternativas que a CGD vai deixar à população, oferecendo-lhes como solução a gestão online das suas contas ou a utilização da agência mais próxima, situada na avenida dos Combatentes da Grande Guerra, a cinco quilómetros de distância e com evidentes dificuldades de estacionamento”.

“Como será de fácil compreensão, esta migração de clientes vai agravar os já elevados tempos de espera da agência CGD da Avenida dos Combatentes”, reforçou a associação. Segundo a AEVC, “a incoerência desta medida é ainda mais incompreensível quando, num raio de dez quilómetros, a agência em causa serve nove freguesias e uma população de cerca de 30 mil habitantes”.

Dizendo representar “um conjunto de associados que usufruem dos serviços prestados por aquela agência da CGD”, a associação considera que a decisão da CGD foi “tomada ao arrepio de qualquer noção de interesse e serviço público, fragilizando uma das regiões empresariais mais dinâmicas e resilientes que tem o privilégio de representar”.

A AEVC garantiu ainda que “vai manter este ponto na sua agenda pública até que novos desenvolvimentos levem ao retrocesso na decisão agora anunciada”.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)