A Associação Empresarial de Viana do Castelo (AEVC) manifestou esta quinta-feira “indignação” e “preocupação” pelo encerramento da agência de Darque da Caixa Geral de Depósitos (CGD), anunciado para o final do mês, considerando tratar-se de um “erro estratégico”.

A decisão “só pode revelar um profundo desconhecimento da região onde a referida agência está inserida”, diz em comunicado a AEVC, que representa cerca de duas mil empresas, 180 das quais situadas nas nove freguesias da margem esquerda do rio Lima afetadas pelo encerramento daquele balcão.

“A evidência deste equívoco traduz-se no anacronismo de encerrar uma agência que está inserida numa das zonas mais desfavorecidas, info-excluídas e envelhecidas da cidade de Viana do Castelo”, sustenta a instituição, liderada por Luís Ceia.

[FrameNews src=”https://s.frames.news/cards/lucros-da-cgd/?locale=pt-PT&static” width=”300px” id=”139″ slug=”lucros-da-cgd” thumbnail-url=”https://s.frames.news/cards/lucros-da-cgd/thumbnail?version=1501858302834&locale=pt-PT&publisher=observador.pt” mce-placeholder=”1″]Para a AEVC, o “grave reflexo desta gestão incoerente está no completo alienamento relativamente às alternativas que a CGD vai deixar à população, oferecendo-lhes como solução a gestão online das suas contas ou a utilização da agência mais próxima, situada na avenida dos Combatentes da Grande Guerra, a cinco quilómetros de distância e com evidentes dificuldades de estacionamento”.

“Como será de fácil compreensão, esta migração de clientes vai agravar os já elevados tempos de espera da agência CGD da Avenida dos Combatentes”, reforçou a associação. Segundo a AEVC, “a incoerência desta medida é ainda mais incompreensível quando, num raio de dez quilómetros, a agência em causa serve nove freguesias e uma população de cerca de 30 mil habitantes”.

Dizendo representar “um conjunto de associados que usufruem dos serviços prestados por aquela agência da CGD”, a associação considera que a decisão da CGD foi “tomada ao arrepio de qualquer noção de interesse e serviço público, fragilizando uma das regiões empresariais mais dinâmicas e resilientes que tem o privilégio de representar”.

A AEVC garantiu ainda que “vai manter este ponto na sua agenda pública até que novos desenvolvimentos levem ao retrocesso na decisão agora anunciada”.