Saúde

Portugal e Cabo Verde criam junta médica mista para melhorar transferência de doentes

Os dois países vão criar uma junta médica para melhorar a transferência de doentes cabo-verdianos. A ideia é possibilitar que um doente tratado em Portugal possa fazer o seguimento em Cabo Verde.

ANTÓNIO COTRIM/LUSA

Portugal e Cabo Verde vão criar uma junta médica mista para tornar mais eficiente o processo de envio e tratamento de doentes cabo-verdianos em estruturas de saúde portuguesas, disse a diretora-geral de Saúde, Graça Freitas.

Estamos a constituir uma junta médica mista em que médicos de Cabo Verde que residem e trabalham em Portugal junto com médicos portugueses analisam os processos das pessoas que já foram tratadas para decidir a sua integração em Cabo Verde o mais precocemente possível”, disse Graça Freitas.

A diretora-geral de Saúde falava aos jornalistas, na cidade da Praia, onde participa no Fórum Nacional de Saúde e Segurança Social, que decorre esta quinta e sexta-feira. Para Graça Freitas, as novas juntas vão possibilitar que um doente tratado em Portugal possa regressar para fazer o seguimento em Cabo Verde, cumprindo os mesmos protocolos e com a garantia de poder voltar a Portugal se necessitar.

Estamos a trabalhar juntos para agilizar um processo que será bom para os cidadãos de Cabo Verde, que vão ter acesso a cuidados médicos, mas voltando depois à sua terra. Reduz custos e evita sobretudo o afastamento demasiado grande da família”, disse.

Graça Freitas considerou “muito boa” a capacidade instalada de médicos e enfermeiros em Cabo Verde, destacando, nomeadamente, a capacidade existente no país de fazer o seguimento dos doentes oncológicos.

“Uma pessoa que vá a Portugal fazer tratamento oncológico e depois fique bem, mas precise de fazer seguimento, se calhar não precisa de fazer esse seguimento em Portugal, uma vez que o protocolo é o mesmo e pode ser seguida por médicos de Cabo Verde”, exemplificou.

A diretora-geral da Saúde disse ainda que os dois países estão a trabalhar ao nível das juntas médicas que em Cabo Verde avaliam os doentes para os mandar para tratamentos em Portugal. “Viemos discutir com as autoridades como é que em Cabo Verde podem ser melhorados os processos antes de as pessoas irem para Portugal. Capacitar as juntas médicas e os profissionais de Cabo Verde para quando tomam a decisão de evacuar uma pessoa o processo ir muito bem instruído”, disse.

No último ano foram transferidos para Portugal 730 doentes cabo-verdianos para Portugal, segundo Graça Freitas.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)