Sporting

Rodrigo Battaglia também já avançou com carta de rescisão

194

O médio argentino, um dos principais alvos do ataque de cerca de 40 adeptos à Academia de Alcochete, já avançou com o pedido de rescisão de contrato.

JOSEP LAGO/AFP/Getty Images

O médio argentino Rodrigo Battaglia também já entregou a carta de rescisão de contrato com o Sporting Clube de Portugal, alegando justa causa para a saída. O jogador contratado no verão passado ao Sporting de Braga avançou com o processo depois de Rúben Ribeiro (esta quinta-feira) William Carvalho, Bruno Fernandes, Gelson Martins, Bas Dost terem entregue a mesma carta. Rui Patrício e Daniel Podence tinham sido os primeiros a rescindir.

A informação de que Battaglia já rescindiu com o clube de Alvalade começou a ser difundida pela imprensa argentina logo na terça-feira, dia 12 de junho. César Luis Merlo, jornalista da estação televisiva de Buenos Aires, TyC Sports, escreveu o seguinte no Twitter: “Rodrigo Battaglia pediu hoje a libertação do contrato que o ligava ao Sporting, na sequência do ‘apertão’ feito pelos barrabrava [ultras e hooligans de futebol]. Alegou que o clube não garantiu a sua segurança e integridade neste episódio.”

A informação, contudo, foi desmentida por outro jornalista argentino, Luis Fregossi, que escreveu: “O representante de Rodrigo Battaglia NÃO pediu a rescisão de contrato com o Sporting Lisboa. O que disse aos dirigentes, SIM, é que o jogador quer sair do clube. Pediu que o clube tome em consideração as ofertas que se aproximem ou que cheguem pelo médio que esteve entre os 35 pré-convocados da selecção argentina para o Mundial da Rússia.”

A ideia do jogador é continuar na Europa. O empresário do jogador fará chegar ofertas deste continente para que [Battaglia] saia de Portugal. Caso os dirigentes do Sporting se oponham (a sua cláusula é de 60 milhões de euros), aí recorrerão ao Tribunal Arbitral do Desporto para pedir a rescisão. Ele não quer voltar”, dizia o jornalista.

Esta quinta-feira, menos de uma hora depois de ser conhecida a rescisão de Rúben Ribeiro, tornava-se oficial a saída do argentino do clube.

Battaglia, um dos alvos de Alcochete

Rodrigo Battaglia era um dos principais alvos dos adeptos leoninos que invadiram a Academia de Alcochete encapuçados, durante um treino da equipa masculina de futebol profissional do Sporting. O ataque aconteceu na sequência da derrota do Sporting na Madeira, na última jornada do campeonato, que fez com que o clube fosse ultrapassado pelo Benfica no segundo lugar. O Sporting tinha ainda uma final da Taça da Portugal para disputar quando o ataque aconteceu. Acabou por perdê-la para o Desportivo das Aves, por 2-1.

Além da derrota, houve dois momentos na Madeira que contribuíram para a indignação de Fernando Mendes, ex-líder da claque Juventude Leonina, e de outros adeptos do Sporting, vários deles membros da claque leonina. Um deles foi a recusa de Rui Patrício em cumprimentar os adeptos presentes na Madeira depois da derrota. O guarda-redes terá ouvido insultos dos sportinguistas e optou por dirigir-se diretamente aos balneários, no final da partida. Já Acuña trocou mesmo palavras acesas com os adeptos ainda no Estádio dos Barreiros.

A CMTV revelou imagens que mostravam o ex-líder da Juventude Leonina (que foi recentemente detido pela sua presença no ataque a Alcochete) indignado com o jogador Marcos Acuña, no aeroporto da Madeira. Fernando Barata “Mendes” utilizou palavras insultuosas (“hijo de puta”) e exigiu falar com Acuña, que tentou responder e foi travado pelos colegas. Foi então que Fernando Mendes proferiu a ameaça que — acredita o Ministério Público — daria origem à invasão e às agressões de adeptos encapuçados a jogadores, preparador-físico e treinador do Sporting: “Falamos em Alcochete.”

No aeroporto da Madeira, Rodrigo Battaglia foi um dos jogadores que defendeu Acuña, tendo inclusivamente entrado em confronto físico com um adepto. Na tarde do ataque a Alcochete, Battaglia já estava no interior do balneário quando começou a confusão, ao contrário de alguns colegas. À GNR, contou que os atacantes entraram gritando o nome de alguns jogadores, entre os quais o seu. Quando o viram, foi cercado por cinco ou seis atacantes. Foi esmurrado na cara e no tronco e foi-lhe atirado um garrafão de 25 litros de água para cima.

Já depois dos acontecimentos, Rodrigo Battaglia deu uma primeira entrevista à imprensa argentina dizendo que o Sporting estava “a pedir uma verba alta pela transferência” e que queria “ficar em Portugal.” Questionado sobre o seu futuro, disse: “Tenho contrato, mas veremos o que faço.” Mais recentemente, o jogador deu uma entrevista onde manifestou a intenção de sair: “Acima de tudo está a minha família. Quero sair! Gostava que isto não tivesse acontecido, porque a minha vontade era continuar no Sporting.” O Observador sabe que Battaglia não fazia questão de rescindir contrato com o Sporting, aceitando ser transferido pelo clube de Alvalade. A transferência, no entanto, não se concretizou.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: gcorreia@observador.pt
Governo

A famiglia não se escolhe? /premium

Alberto Gonçalves

Se ainda não se restringiu o executivo aos parentes consanguíneos ou afins do dr. Costa, eventualidade que defenderia com empenho, a verdade é que se realizaram amplos progressos na área do nepotismo

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)