Polícia Judiciária

Novo diretor da PJ atento à falta de inspetores

O novo diretor nacional da Polícia Judiciária, Luís Neves, prometeu "reforçar a dotação de recursos humanos" desta polícia e garantiu estar preocupado com o terrorismo e o crime económico.

Luís Neves foi esta segunda-feira empossado no Ministério da Justiça

TIAGO PETINGA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O novo diretor nacional da Polícia Judiciária prometeu esta segunda-feira “reforçar a dotação de recursos humanos” desta polícia e indicou como “especiais preocupações” o terrorismo, a corrupção, a cibercriminalidade, a criminalidade violenta em geral e os chamados “crimes de ódio”.

Luís Neves falava na cerimónia em que, na presença do primeiro-ministro, António Costa, e da ministra da Justiça, Francisca Van Dunem, tomou posse como novo diretor da Polícia Judiciária (PJ), em substituição de Almeida Rodrigues, que pediu para não ser reconduzido no cargo.

O novo diretor nacional da PJ apontou ainda como “especiais preocupações” o tráfico de droga e os crimes contra as pessoas, indicando ainda a “recuperação de ativos” resultantes da atividade criminosa mais lucrativa.

Luís Neves sublinhou que a atividade da PJ não se esgota no seio da prevenção e da investigação criminal, referindo que uma polícia capacitada e dotada de meios como o do Laboratório de Polícia Científica deve aproveitar todas as sinergias internas e externas, no âmbito da cooperação judiciária transnacional.

A estrutura orgânica e funcional da PJ deve estar agilizada e preparada para qualquer cenário, a todo o momento”, enfatizou o novo diretor nacional da PJ, que disse ainda “apostar claramente numa estratégia de proatividade e antecipação”, a montante dos fenómenos criminais, através da “recolha, tratamento, análise e difusão de informação”.

Dotar a PJ dos meios humanos e tecnológicos necessários e adequados ao cumprimento das “tarefas indispensáveis” da sua missão, designadamente na investigação criminal, periciais, informáticas e contabilísticas, foi outro dos rumos traçados por Luís Neves.

Na sua intervenção, a ministra da Justiça salientou que, “no barómetro da confiança”, a PJ “continua a ser das instituições em que os cidadãos mais repousam”, observando que os “cidadãos confiam na maturidade e na diferenciação da PJ”.

Francisca Van Dunem alertou para o recrudescimento do terrorismo, assim como da corrupção, branqueamento de capitais ou atuações criminosas no espaço de cibercriminalidade e que reclamam uma atenção permanente.

A ministra lembrou que PJ possui uma “grande capacidade de antecipar ameaças e os riscos criminais” e de atuar “atempadamente para os prevenir”, mantendo uma atitude atenta às novas formas de criminalidade nacional e transnacional.

Francisca Van Dunem elogiou o trabalho de Almeida Rodrigues à frente da PJ na última década, assim como do seu número 2, Pedro do Carmo, e sublinhou que o novo diretor nacional da PJ, Luís Neves, é “um homem que fez a vida e que tem um passado brilhante na PJ”.

Como desafios do novo diretor nacional, a ministra indicou o reforço da capacidade de ação da PJ, modernizar os meios e manter a coesão dos seus profissionais e garantir os elevados padrões da PJ ao nível da juridicidade, deontologia e da qualidade do trabalho desta polícia.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)