Desde o início do mês que o santo popular mais querido dos portuenses é pretexto para os fregueses se juntarem nos bailaricos ao final do dia. Mas é no sábado, de 23 para 24 de junho, que a cidade festeja em massa, com pão com sardinhas, cerveja fresca e martelos de São João equilibrados nas mãos e com os olhos postos nos balões e no fogo de artifício. Já se prevê que possa chover e trovejar, mas não há meteorologia que afaste as multidões da rua.

Nos Aliados, a noite mais longa do ano começa com um Tributo ao Conjunto António Mafra, um dos grupos que mais músicas dedicou ao São João do Porto e, depois do fogo de artifício sobre Douro às doze badaladas, é José Cid que pauta o ritmo da festa. Mas, se prefere aventurar-se pelas ruelas mais mais antigas da cidade e conhecer os arraiais tradicionais das festas sanjoaninas, o melhor é atentar aos eventos gratuitos que as freguesias têm na sua agenda – o Observador dá-lhe uma ajuda.

No Bonfim, além de poder ver a exposição da tradicional cascata de São João na Associação de Moradores da Lomba (até 30 de junho), pode ir dar um passo de dança à Escola Básica da Alegria, que tem recebido os bailes de São João desde o início do mês. Na noite de 23 de junho, a festa alonga-se das 21h30 às 5h. Mas se já tem planos para a noite de maior animação, nada tema: a festa, organizada pelo Praça da Alegria Futebol Clube e musicada pelo conjunto Olhos d’Água, também se faz a 24 (das 21h30 à 00h) e a 29 e 30 de junho, terminando uma hora mais tarde.

Na freguesia de Campanhã, o Ringue do Bairro do Falcão é o palco principal da festa popular. A 23, 29 e 30 de junho, o arraial, organizado pela Associação Cultural e Desportiva do Bairro do Falcão, começa às 21h30 e termina às 2h. No domingo, dança-se até meia-noite – afinal, o dia seguinte é dia de trabalho. Mas se prefere passar a noite de sábado com música de baile ao vivo, há boa solução: o grupo Impecáveis Band vai estar a dar música na Praça da Corujeira das 22h à 1h.

Na escada dos Guindais, o Guindalense Futebol Clube organiza as noites de S. João que muitos dizem ser “míticas”. A festa é rija, a vista é única, para a ponte D. Luís e para o rio.

Também Paranhos recebe o santo popular de braços abertos. No Largo do Campo Lindo, a festa de sábado dura 12h (das 16h às 4h) e conta com a atuação dos Pontofixo, “animação, petiscos e fogo de artifício”, garante a junta de freguesia. Mas o São João não vai logo embora. Na sexta-feira seguinte, no dia 29 de junho, há bailarico das 21h à 00h30 no Bairro do Regado.

Logo ali ao lado, em Ramalde, encontramos o Ringue Polidesportivo do Bairro de Francos, que passou a ser o epicentro da freguesia desde o início do mês. O arraial começou logo no primeiro dia de junho, mas é no dia 23 que se faz mais pujante, com uma festa das 21h às 6h. Nos dias 22, 29 e 30 de junho, a celebração organizada pelo Grupo Desportivo Recreativo Cultural do Centro Social do Bairro de Francos é mais contida, terminando à 1h.

Na zona litoral do município, há opções para todos os gostos. No Largo de Nevogilde, há “sardinhada, jogos tradicionais, folia e muita música ao vivo” logo a partir das 20h, lê-se num cartaz que anuncia que a Banda 4 Gerações e o Trio Bairrada serão os protagonistas musicais. Em Aldoar, o Desportivo Operário Fonte da Moura (Rua da Guiné, 160) festeja a partir das 22h.

Só na Foz do Douro, quatro arraiais impõem-se na noite de 23 de junho. Há concertos de Marcos Levi e Batida de Côco, no Coreto do Passeio Alegre das 21h30 até (quase) o sol raiar, pelas 5h. Já no Mercado da Foz, a animação começa às 21h. Mas também pode optar pela noitada de São João da Associação de Moradores do Bairro Social da Pasteleira (Rua Gomes Eanes de Azurara, 129) ou pela festa organizada pelo Paraíso Sport Club da Foz (Rua do Paraíso da Foz, 60), que abrem portas às 22h.

Neste ano, as freguesias de Lordelo do Ouro e Massarelos fizeram uma clara aposta: a música ao vivo. Na noite sábado (e depois), o São João celebra-se em dois pólos. Musikan Trio e Prata Latina dividem o palco do Largo do Calém e Ricardo e Henrique e Porto Som dividem o do Cais das Pedras, numa festa que começa às 21h30 e que não acaba antes das 5h. No dia seguinte, ainda há Opa Lordelo e Nuno Félix (17h e 21h30, Largo do Calém) e MXM Art Center Performance Dance e Fado (16h e 21h30h, Cais das Pedras). A animação prolonga-se por vários dias, com outros concertos agendados pela freguesia.

O fogo de artifício sobre o rio Douro é sempre um dos momentos altos da noite de São João. Este ano, estão prometidos 20 minutos de espectáculo.

No centro histórico da cidade, o bailarico também só se faz ao som de música ao vivo. Há décadas que a Alameda das Fontainhas é vista como um ponto de passagem obrigatório na noite sanjoanina e, neste ano, o célebre e tradicional arraial conta com os concertos de Nuno Félix e Iniciadores, que começam às 21h30 e terminam quase de manhã. Na Cordoaria, o plano de festas é o mesmo, só que com o Duo Inseparáveis e o Duo Sinfonia a atuarem no Largo Amor de Perdição.

A minutos a pé dali, há 12 horas de festa non stop. É o arraial “Bai no Batalha”, que entre as 16h e as 4h se compromete a animar a parte mais alta do Porto no Quiosque Bai no Batalha e na Praça da Batalha. Há concertos de Noray, Grupo Musical LM, José Pinhal Post-Mortem Experience e vários DJ sets.

Como já é habitual, o Mercado Bom Sucesso também não vai deixar passar a data ao lado. A partir das 22h, os temas tradicionais portugueses vão ser cantados por Joãozinho, acompanhado pelo cheiro a sardinhas e manjericos, num mercado vestido a rigor.

E se quer mesmo ter um São João à moda do Porto, convém que comece a festa mais cedo. Na véspera da noite mais longa do ano, a 22 de junho, cumpre-se umas das principais tradições das festas sanjoaninas: as Rusgas. Mais de 1100 figurantes de sete grupos representantes das freguesias do concelho do Porto vão desfilar na Avenida dos Aliados e vão ser avaliados pelos seus trajes, adereços, cenários, música e coreografia.

Nem só com sardinhas e bifanas se faz a festa. Há oito anos que o São João Vegetariano se impõe junto à Igreja São Francisco, na Rua do Infante D. Henrique. O evento, criado em 2010 pelo partido Pessoas-Animais-Natureza (PAN) e agora organizado pela associação Porto Pelos Animais, vai dar a conhecer algumas iguarias da cozinha vegetariana num ambiente típico de arraial, a partir das 19h de sábado.

E para quem procura alternativas ao pimba ou à música de baile, a Casa das Artes (na Rua Ruben A, 210) oferece uma boa solução. Há festa a partir das 15h e concertos entre as 16h e as 23h, de Ana Baguim, TCP, Balter Youth, Ivo Martins e Samba Sem Fronteiras. Tudo para ver de barriga cheia, porque há sardinhas, broa, bifanas e caldo verde na ementa.

Quem também promete festa pela noite adentro é o Hard Club, que dedica uma sala ao drum and bass (entrada a 4€) e ao trance (12€). As festas prolongam-se até de manhã no Mercado Ferreira Borges, mas há sempre tempo para ver o fogo de artifício naquele que é um dos sítios com vista privilegiada para o Rio Douro. É ainda possível aproveitar o menu do restaurante do local, que oferece caldo verde, sardinhas ou febras, batatas, pimento, salada e pão – mas que está sujeito a reserva prévia.

No Maus Hábitos o São João dança-se ao som das escolhas de John de L’Abreu e Paulo Cunha Martins. Mas antes há jantar, com menus diferentes, dependendo dos gostos. A mesa está posta até à meia noite mas convém reservar, que isto de comer na noite de São João pode ser uma peripécia. Se fizer a refeição noutro sítio, a entrada para o baile é gratuita.