Estados Unidos da América

Trump culpa Washington pelo cancelamento da sua parada militar

Trump viu a parada militar do 14 de Julho em Paris e quis uma igual. Parada estava prevista para novembro mas foi cancelada. Agora, Trump culpa Washington D.C. pelos custos pedidos.

CHRISTOPHE ARCHAMBAULT / POOL/EPA

A parada militar que Donald Trump tanto queria foi cancelada depois de ter sido noticiado que deveria custar mais de 80 milhões de euros, mais do triplo do valor inicialmente previsto. E o presidente norte-americano culpa os políticos locais de Washington D.C. por alegadamente terem inflacionado os custos para que não fosse viável realizar o evento.

O Pentágono tinha informado, na quinta-feira, que a parada militar, prevista para novembro, só deveria realizar-se em 2019, depois de ter sido noticiado que o evento deveria custar mais de 80 milhões de euros. Em fevereiro, Donald Trump pediu ao Departamento da Defesa para estudar a criação de uma cerimónia na qual todos os americanos pudessem expressar o seu reconhecimento aos militares e o desfile chegou a estar previsto para novembro deste ano. O desejo de Trump surgiu depois de, a 14 de julho, ter assistido, ao lado de Emmanuel Macron, à famosa parada militar do Dia da Bastilha, em Paris. “Foi uma das melhores paradas que já vi”, disse na altura.

Na verdade, Donald Trump já defendia a ideia de uma parada militar em Washington antes da sua eleição e a ideia ganhou ainda mais forma depois de ter estado em Paris no 14 de julho. Trump ponderou, então, a ideia de organizar um desfile semelhante em Washington no 4 de Julho, feriado nacional dos Estados Unidos, mas tal decisão provocou violentas críticas dos seus opositores, que compararam a sua atitude à do dirigente de um regime autocrático.

O evento ficou então apalavrado para novembro, mas sempre baixo de críticas. Agora, depois de anunciados os custos elevados, Trump atira-se às autoridades locais de Washington D.C., acusando-os de terem inflacionado os preços de propósito. “Quando lhes pedimos para nos darem um preço para a parada militar de celebração, quiseram um número tão ridiculamente alto que tive de cancelar”, escreveu no Twitter, anunciando que, sendo assim, iria assistir à parada de Paris a celebrar o fim da Guerra, no próximo dia 11 de novembro.

“Talvez no próximo ano consigamos fazer alguma coisa em Washington D.C. quando os custos descerem”, disse ainda, ironizando que assim (com o dinheiro que não se gasta), as Forças Armadas vão poder “comprar mais caças”.

Cerca de uma hora depois do tweet de Trump, a presidente da câmara de Washington D.C., Muriel E. Bowser reagiu pela mesma via, e com a mesma: “Sim, eu sou Muriel Bowser, presidente da câmara de Washington DC, a autarca que finalmente chamou a estrela da Casa Branca à realidade de que as paradas/eventos na América de Trump custam 21.6 milhões de dólares (triste)”, lê-se no Twitter. O valor de 21.6 milhões, no entanto, diverge dos 80 milhões anunciados pelo Pentágono (custo que tinha sido estimado pelo Departamento da Defesa), o que deixa dúvidas sobre se o valor estimado por Washington foi ou não tido em conta.

Segundo o Washington Post, que cita fontes oficiais, o processo de planeamento da parada foi muito conturbado, tendo havido dificuldades de coordenação entre Washington D.C. e a Casa Branca, que demorava muito a comunicar detalhes do evento.

No comunicado emitido na quinta-feira, o Pentágono não deu qualquer justificação para o cancelamento (ou adiamento) do evento, mas o comunicado surgiu na mesma altura em que dispararam notícias sobre os elevados custos de uma parada militar com aqueles contornos.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)