Naomi Osaka, a tenista campeã da final feminina do U.S. Open, revelou no programa de Ellen DeGeneres o que é que Serena Williams lhe disse ao ouvido: “Ela disse que estava orgulhosa de mim e que queria que eu soubesse que não me estavam a vaiar a mim.”

A tenista de raízes japonesas revelou que chegou a pensar que os assobios eram para ela: “Na altura em que se estavam a entregar os prémios, achava que os assobios eram dirigidos a mim. Não conseguia perceber o que se estava a passar. Foi um bocado stressante”, desabafou a atleta de 20 anos.

Enquanto Serena Williams discutia com o árbitro português Carlos Ramos, Naomi Osaka chegou a aproximar-se dos dois mas afastou-se logo a seguir. Segundo a explicação da atleta à apresentadora norte-americana, isso é incutido aos jogadores desde cedo: “Quando somos pequenos ensinam-nos a não olhar quando o outro jogador fica zangado ou qualquer coisa do género. Dizem-nos para dar a volta e tentarmo-nos concentrar. Na minha mente eu queria mesmo saber o que estava a acontecer”.

Naomi Osaka não chegou a perceber o que se passa. Nem mesmo quando recebeu o troféu de uma das maiores competições de ténis do mundo: “Não conseguia ouvir e estava a olhar para outro lado. Ouvi muitas gente na bancada a fazer barulho, por isso queria muito ver o que se passava mas não o fiz”. A jovem de 20 anos só soube da polémica entre a adversária Serena Williams e o árbitro português quando saiu de campo.

Na entrevista para Ellen DeGeneres, Naomi Osaka ainda desvendou alguns dos seus gostos pessoais. A cor favorita é o preto, vê a série “The Office”, o artista musical favorita é Beyoncé e tem um fraquinho pelo ator Michael B. Jordan. Questionada sobre o que vai fazer com o dinheiro do prémio, Naomi Osaka disse que ia oferecer “uma televisão mesmo muito grande aos pais” para que eles pudessem ver o programa da Ellen. Mas isso não será necessário: a apresentadora, habitualmente uma mãos largas, ofereceu-lhe um plasma.