Rádio Observador

Privacidade Online

Há quem consiga ver se abriu um e-mail. Saiba como impedir

Aplicações para browsers permitem que quem lhe enviou um e-mail saiba quando, e quantas vezes, o abriu sem serem precisos recibos de leitura. Saiba como impedir quem quer invadir a sua privacidade.

Os "trackers" informam o remetente de que abriu um e-mail, mesmo que diga não ao recibo de leitura

Getty Images/iStockphoto

Quantas vezes já abriu um e-mail e pensou: “Nem vale a pena responder”. Devido a aplicações que dizem ao remetente quando, e quantas vezes, abriu o e-mail recebido, a resposta de “desculpa, não vi”, pode rapidamente fazê-lo ser apanhado numa mentira, mesmo sem saber. “Mas disse não ao recibo de leitura”, pode estar a pensar. Não interessa. Estes “trackers”, que facilmente podem ser instalados no browser, informam quando abriu a mensagem em tempo real. Mas há resposta para quem ainda quer o respeito pela privacidade.

Aplicações de mensagens como o WhatsApp ou o Messenger podem não dar opção para os utilizadores lerem uma mensagem recebida sem o remetente saber, mas os serviços de e-mail deviam protegê-lo. Assim, o truque para evitar que quem enviou uma mensagem eletrónica com “tracker” saiba quando a abriu, é mudar as definições de pré-visualização de imagens no serviço de e-mail que utiliza (Hotmail, Gmail, YahooMail, etc.).

A forma como a maioria destas aplicações para remetentes curiosos  funciona, como explicou o The Wired em 2017 quando falou do problema dos trackers na Web, é inserir uma imagem tão pequena que quase é invisível num e-mail. Quando esta mini-imagem é aberta, um download automático é feito que permite ao tracker saber que o ficheiro foi descarregado e avisa o remetente. Alguns serviços conseguem até dizer em que sítio é que o download ocorreu.

Sim, é um cenário Orwelliano, mas a premissa em tudo na Internet continua a ser: atenção, tudo o que se faz online pode ser visto. Para minorizar este risco nos emails, a solução passa por impedir que a pré-visualização de imagens em mensagens eletrónicas seja feita automaticamente.

No Gmail pode ir a definições > geral e aceder e nesta secção desligar a opção de carregamento automático de fotografias. No Outlook.com, a Microsoft deixa aqui os passos necessários para desligar esta opção, mas deixamos os aviso, nos “trackers” que fizemos o teste no Outlook, mesmo desligado, o serviço continuou a fazer a pré-visualização e a informar a aplicação. Noutros serviços de e-mail a solução é a mesma, encontrar a definição de carregamento automático de imagens em e-mails e desabilitá-la.

Mas no cenário em que recebe um e-mail com tracker e quer abri-lo? Há também aplicações para os browsers, como o PixelBloc, que não só impedem o download dessa mini-imagem, como o informam se o e-mail tinha esse tipo de ficheiro para controlo do receptor.

No fim, a verdadeira solução pode passar por nem sequer abrir o e-mail que não quer ler ou a desculpa passar a ser “li, mas não houve tempo para responder”. Se a resposta for “mas sei que lês-te 20 vezes às quatro e meia da manhã”, a contrarresposta deve ser “mas como é que sabes?” e questionar a ética de instalar um tracker que a pessoa não tem conhecimento só para saber se abriu o email.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mmachado@observador.pt
Privacidade

Gratuito é mentira

João Nuno Vilaça

Que estamos a ceder em troca destas aplicações e serviços gratuitos? A nossa alma? Quase. Estamos a ceder os nossos dados, que são extremamente valiosos e pessoais. São o recurso mais valioso do mundo

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)