O Departamento do Comércio dos Estados Unidos baixou de forma muito significativa a taxa anti-dumping a cobrar sobre as vendas de papel da Navigator para aquele país. Em vez dos 37,34% comunicados em agosto deste ano, a taxa a cobrar sobre as importações realizadas entre agosto de 2015 e fevereiro de 2017 foi reduzida para apenas 1,75%, revelou esta quarta-feira a empresa liderada por Diogo Silveira.

Segundo a Navigator, o impacto desta taxa nos resultados da empresa será também substancialmente reduzido face ao alerta feito ao mercado em agosto e que levou a uma forte queda das ações da empresa na bolsa, dada a importância do mercado americano para a sua faturação. Em vez de uma penalização de 45 milhões de euros nos lucros deste ano, a empresa antecipa agora um impacto negativo de dois milhões de euros. Na margem bruta, o EBITDA, o impacto será de três milhões de euros, em vez de 66 milhões de euros.

Quando comunicou ao mercado em agosto a primeira taxa, a Navigator anunciou que ia contestar este valor junto da justiça americana, com base em erros administrativos na decisão. Agora a empresa diz que o Departamento do Comércio americano “reapreciou, com rigoroso cumprimento das regras aplicáveis, os cálculos então feitos, tendo concluído pela atribuição final desta nova taxa de 1,75%, que será aplicável através do depósito do montante da taxa correspondente a todas as exportações para os EUA pela 2 Sociedade depois da data de publicação da decisão correspondente, que se espera próxima”.

Navigator em guerra com o Departamento de Comércio dos EUA contra taxa anti-dumping

A empresa acrescenta que perante esta decisão irá pedir o reembolso de 22 milhões de euros que correspondente à diferença entre os montantes depositados até fevereiro de 2017 e o montante agora apurado.