A startup portuguesa Infraspeak fechou uma ronda de investimento de 1,6 milhões de euros, na qual participaram o fundo britânico Firstminute Capital, a chinesa Tencent, a polaca Innovation Nest, o brasileiro Construtech Ventures, os norte-americanos da 500 Startups e o braço de capital de risco da Caixa Geral de Depósitos, a Caixa Capital, bem como fundadores de vários unicórnios (empresas que valem mais de mil milhões de dólares) europeus, anunciou a empresa esta terça-feira em comunicado.

“Após três anos focados no desenvolvimento do produto, na aquisição de clientes de referência e na criação de uma equipa da qual nos orgulhamos, chegou a altura de ambicionar novos voos. Fomos atrás dos parceiros certos para levar a Infraspeak para mais mercados internacionais e não podíamos estar mais orgulhosos de ter alguns dos melhores investidores do mundo a apoiar-nos neste projeto”, refere Felipe Ávila da Costa, co-fundador e CEO da startup.

A Infraspeak está sediada na Founders Founders, no Porto, e desenvolveu uma plataforma de gestão de manutenção para empresas como os Vila Galé Hotéis, a Pinto & Cruz ou a Siemens. Prometem operações mais eficientes, sem papel, com menos custos e menos stress e têm mais de 120 clientes em seis países. Atualmente, são processadas na plataforma da startup mais de sete milhões de tarefas de manutenção.

Infraspeak. Como nasceu a startup do Porto que cresceu 243% em 2016?

Com esta ronda de investimento, a empresa quer crescer em mais mercados e reforçar a equipa. Nos próximos meses, a empresa vai expandir operações para o Reino Unido, Espanha e França, e tem atualmente 10 vagas de emprego abertas. Até ao final do ano, pretende recrutar mais pessoas.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

“Vemos grande potencial em soluções digitais para indústrias que ainda estão na ‘idade do papel’. Parece-nos adequada e, no tempo certo, a visão de criar um marketplace e um sistema de registos de manutenção e gestão de infraestruturas para hotéis, hospitais e outros edifícios não residenciais”, afirma Lina Wenner, investidora da firstminute capital.

Felipe Ávila da Costa e Luís Martins fundaram a Infraspeak em 2015. Em 2016, os empreendedores participaram no programa de aceleração de startups da Beta-i, o Lisbon Challenge, e depois num dos programas de aceleração mais conhecidos do mundo, da norte-americana 500 Startups. Antes desta ronda, a Infraspeak já tinha recebido cerca de 250 mil dólares em investimento da Caixa Capital e da 500 Startups.