Porto

Câmara do Porto propõe pagar 553 mil euros por estacionamento nunca construído

A Câmara do Porto vai propor na reunião do executivo de terça-feira pagar 553 mil euros de indemnização devido a um parque de estacionamento subterrâneo na avenida da Boavista.

JOSÉ COELHO/LUSA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

A Câmara do Porto vai propor na reunião do executivo de terça-feira pagar 553 mil euros de indemnização devido a um parque de estacionamento subterrâneo na avenida da Boavista, adjudicado em 2001 mas nunca construído.

No documento, a que a Lusa teve esta sexta-feira acesso, a vereadora da Mobilidade explica querer “resolver convencionalmente o contrato referente à ‘concessão da construção e exploração de um parque público de estacionamento subterrâneo para viaturas na Avenida da Boavista, entre a Rua António Cardoso e a Rua de Guerra Junqueiro’, celebrado em 15 outubro de 2001, procedendo-se ao pagamento das respetivas indemnizações”.

De acordo com a proposta, “o contrato não foi executado devido a indefinições relativas à linha do metro [da Boavista]”, que terminaram em 2013, altura em que um estudo concluiu pela inexistência de “viabilidade financeira para a construção do parque”, levando as empresas a perder “o interesse na execução do contrato”.

Segundo o documento, em causa estão duas empresas que indicaram um total de 553 mil euros como o “montante dos danos emergentes”, que “pretendem ver ressarcido através do pagamento de uma indemnização”.

“O processo ficou suspenso porque o município não podia deferir o pedido por causa da linha do metro, (conforme ata de reunião de 05 de junho de 2014), devendo-se o decurso deste período a circunstâncias não imputáveis a nenhuma das partes”, esclarece a vereadora, da maioria do independente Rui Moreira.

De acordo com o documento, em 2013 “cessaram as indefinições” sobre a passagem do metro naquela zona, com a opção pela zona do Campo Alegre.

“Posteriormente, cessadas as indefinições, em 12-07-2013, o município procedeu à notificação da concessionária para que avançasse com a construção. No entanto, surgiu a necessidade de readaptar o projeto de arquitetura, levando a empresa a efetuar um estudo financeiro (2013) que viria a concluir que a oferta de parques na área de influência do parque de estacionamento é muito maior”, refere-se.

Em dezembro de 2017, as empresas que em 2001 formavam um consórcio “manifestaram vontade em resolver convencionalmente o contrato pela alteração anormal das circunstâncias supra mencionadas”.

Na proposta, pretende-se que o executivo aprove a minuta “relativa à escritura pública de resolução convencional, a ser outorgada após concessão do visto do Tribunal de Contas”.

De acordo com o documento, tendo em vista a construção do parque de estacionamento, “foi celebrado, por escritura pública, o respetivo contrato de concessão e exploração, em 15 outubro de 2001 entre o município e o Consórcio SPEL, S.A e Contacto, S.A”.

“Foram previstos no contrato dois prazos distintos: por um lado foi previsto que o prazo de execução da construção era de 15 meses e o seu início verificar-se-ia após a assinatura do auto de consignação; e foi fixado um prazo de 20 anos para a exploração do parque, contados a partir da data do início da exploração”, recorda-se.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)