Porto

Câmara do Porto propõe pagar 553 mil euros por estacionamento nunca construído

A Câmara do Porto vai propor na reunião do executivo de terça-feira pagar 553 mil euros de indemnização devido a um parque de estacionamento subterrâneo na avenida da Boavista.

JOSÉ COELHO/LUSA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

A Câmara do Porto vai propor na reunião do executivo de terça-feira pagar 553 mil euros de indemnização devido a um parque de estacionamento subterrâneo na avenida da Boavista, adjudicado em 2001 mas nunca construído.

No documento, a que a Lusa teve esta sexta-feira acesso, a vereadora da Mobilidade explica querer “resolver convencionalmente o contrato referente à ‘concessão da construção e exploração de um parque público de estacionamento subterrâneo para viaturas na Avenida da Boavista, entre a Rua António Cardoso e a Rua de Guerra Junqueiro’, celebrado em 15 outubro de 2001, procedendo-se ao pagamento das respetivas indemnizações”.

De acordo com a proposta, “o contrato não foi executado devido a indefinições relativas à linha do metro [da Boavista]”, que terminaram em 2013, altura em que um estudo concluiu pela inexistência de “viabilidade financeira para a construção do parque”, levando as empresas a perder “o interesse na execução do contrato”.

Segundo o documento, em causa estão duas empresas que indicaram um total de 553 mil euros como o “montante dos danos emergentes”, que “pretendem ver ressarcido através do pagamento de uma indemnização”.

“O processo ficou suspenso porque o município não podia deferir o pedido por causa da linha do metro, (conforme ata de reunião de 05 de junho de 2014), devendo-se o decurso deste período a circunstâncias não imputáveis a nenhuma das partes”, esclarece a vereadora, da maioria do independente Rui Moreira.

De acordo com o documento, em 2013 “cessaram as indefinições” sobre a passagem do metro naquela zona, com a opção pela zona do Campo Alegre.

“Posteriormente, cessadas as indefinições, em 12-07-2013, o município procedeu à notificação da concessionária para que avançasse com a construção. No entanto, surgiu a necessidade de readaptar o projeto de arquitetura, levando a empresa a efetuar um estudo financeiro (2013) que viria a concluir que a oferta de parques na área de influência do parque de estacionamento é muito maior”, refere-se.

Em dezembro de 2017, as empresas que em 2001 formavam um consórcio “manifestaram vontade em resolver convencionalmente o contrato pela alteração anormal das circunstâncias supra mencionadas”.

Na proposta, pretende-se que o executivo aprove a minuta “relativa à escritura pública de resolução convencional, a ser outorgada após concessão do visto do Tribunal de Contas”.

De acordo com o documento, tendo em vista a construção do parque de estacionamento, “foi celebrado, por escritura pública, o respetivo contrato de concessão e exploração, em 15 outubro de 2001 entre o município e o Consórcio SPEL, S.A e Contacto, S.A”.

“Foram previstos no contrato dois prazos distintos: por um lado foi previsto que o prazo de execução da construção era de 15 meses e o seu início verificar-se-ia após a assinatura do auto de consignação; e foi fixado um prazo de 20 anos para a exploração do parque, contados a partir da data do início da exploração”, recorda-se.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Segurança Social

Não tinha de ser assim /premium

Helena Matos
215

Em 1974, politicamente bloqueado, o país aguardava que os militares tratassem do assunto. O assunto era o Ultramar. Em 2019, o país está bloqueado de novo. O assunto chama-se Estado Social.

Mar

Bruno Bobone: «do medo ao sucesso»

Gonçalo Magalhães Collaço

Não, Portugal não é uma «nação viciada no medo» - mas devia realmente ter «medo», muito «medo», do terrível condicionamento mental a que se encontra sujeito e que tudo vai devastadoramente degradando.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)