Terrorismo

Pai diz que Chekatt, autor de um ataque em Estrasburgo, defendia ideais do grupo Estado Islâmico

O pai de Chérif Chekatt, autor de um ataque em Estrasburgo, que fez na terça-feira quatro mortos e 12 feridos, confirmou que o filho era defensor dos ideais grupo Estado Islâmico (EI).

RONALD WITTEK/EPA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

O pai de Chérif Chekatt, autor de um ataque em Estrasburgo, que fez na terça-feira quatro mortos e 12 feridos, confirmou que o filho era defensor dos ideais grupo Estado Islâmico (EI).

“Se me tivesse contado o que ia fazer, tê-lo-ia denunciado à polícia”, disse, em entrevista à France 2, o pai do autor do ataque terrorista, Abdelkrim Chekatt, confirmando que este simpatizava com o grupo autodenominado Estado Islâmico.

Abdelkrim Chekatt referiu ainda que o filho contava que a organização jihadista combatia por uma causa justa e que não eram assassinos.

Por sua vez, a mãe de Chekatt, Rouadja Rouag, disse ter querido “morrer” quando soube que o seu filho era o autor do ataque em Estrasburgo.

No sábado, os pais e dois irmãos do autor de Chérif Chekatt foram libertados sem qualquer acusação, conforme indicou o Ministério Público de Paris.

Os quatro familiares de Chérif Chekatt, que foram detidos na noite do ataque perpetrado no mercado de Natal em Estrasburgo, foram libertados “na ausência de elementos incriminatórios” contra eles, acrescentou o Ministério Público de Paris, que está a conduzir a investigação, citado pela agência noticiosa espanhola EFE.

A mesma fonte precisou que as outras três pessoas detidas no âmbito da investigação permanecem sob custódia policial.

Na quarta-feira, a Amaq, agência de propaganda do grupo extremista indicou, num comunicado, que Chérif Chekatt “fazia parte dos soldados do Estado Islâmico e conduziu a operação em resposta ao apelo para atingir os cidadãos [dos países] da coligação internacional” que combate o EI na Síria e no Iraque.

Na terça-feira à noite, Chérif Chekatt, de 29 anos, abriu fogo sobre as pessoas que se encontravam no mercado de Natal de Estrasburgo, gritando “Allah Akbar!” (“Deus é grande!”).

O homem seria abatido pela polícia francesa num tiroteio na quinta-feira à noite no bairro de Neudorf, zona no sul de Estrasburgo onde se tinha perdido o seu rasto no dia do ataque.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)