Política

PS acusa Rio de ter construído “uma realidade virtual e alternativa” na mensagem de Natal

O PS acusou o presidente do PSD de ter feito "um balanço que abandona um pouco a verdade" e construído "uma realidade virtual", considerando não ser uma opção "eficaz ou muito séria".

MÁRIO CRUZ/LUSA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

O PS acusou esta  o presidente do PSD, Rui Rio, de na mensagem de Natal ter feito “um balanço que abandona um pouco a verdade” e construído “uma realidade virtual”, considerando não ser uma opção “eficaz ou muito séria”.

Na mensagem de Boas Festas, divulgada este sábado, em vídeo, pelo partido, Rui Rio considera que 2018 fica marcado pelo falhanço do Estado em garantir a segurança dos portugueses e nas áreas sociais, tendo-se mostrado disponível para dar contributos para uma “vida melhor” em 2019.

Em declarações à agência Lusa a propósito desta mensagem, o deputado e dirigente do PS Pedro Delgado Alves defendeu que “mais do que fazer um balanço que abandona um pouco a verdade e constrói uma realidade virtual e alternativa era mais interessante olhar para o que efetivamente está a acontecer no país”.

“Temos crescimento, devolução de rendimento às famílias, serviços públicos em recuperação, contas públicas saudáveis e, de facto, o presidente do PSD procurou empolar um conjunto de ocorrências, gerar algum alarmismo em torno das áreas de segurança, que utiliza para fundamentar esta narrativa que é um bocadinho contrária às evidências”, acusou.

O PS, segundo Pedro Delgado Alves, “é o primeiro a reconhecer que há muito trabalho para fazer em muitas destas áreas” identificadas por Rio, recordando que Portugal “saiu de um período de resgaste financeiro”.

“Ainda que perceba que o papel da oposição seja tentar criticar, mas a crítica tem que ter uma mínima adesão à realidade e aquilo que efetivamente poderá estar mal. Não nos parece que tenha sido, por isso, eficaz ou sequer muito séria esta opção da mensagem de Natal deste ano”, condenou.

O deputado do PS fez questão de detalhar as áreas que, segundo os socialistas, as críticas de Rui Rio não colam com a realidade.

“Na área social, que é apontada pelo presidente do PSD como crítica, temos hoje inegavelmente mais respostas sociais, temos mais do que apenas recuperação, temos um novo investimento em áreas importantes para os portugueses e nesta altura do ano o balanço devia olhar para esta realidade e não para factos que não existem realmente”, apontou.

Também a saúde é, de acordo com Pedro Delgado Alves, “uma área em que acima de tudo se está a recuperar do desinvestimento dos últimos anos”.

“Sabemos que não é fácil arranjar recursos e ter o aumento de recursos no setor, mas só agora recentemente conseguimos ultrapassar os cortes que foram impostos pelo Governo anterior numa área importante como esta da saúde e, portanto, é com muita incompreensão que olhamos para dados que não correspondem à realidade”, observou.

Como último exemplo, o dirigente socialista referiu-se ao ensino superior.

“É também a primeira vez que tivemos uma redução de propinas, redução essa que foi merecedora da oposição do PSD, que não abraçou esta medida como sendo valorizadora do ensino superior”, lembrou.

Sendo o Natal uma altura “habitualmente de balanço”, Pedro Delgado Alves defendeu que “o país está num rumo que é aquele que tem devolvido esperança e confiança aos portugueses”.

“E não é acicatando e procurando criar alarmismo ou empolar ocorrências – que muitas vezes são inevitáveis, mas que têm de ter uma resposta por parte do Estado e o têm tido – que se consegue fazer oposição séria e oposição assente na verdade”, sintetizou.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Política

Salazar /premium

Helena Matos
1.498

Os actuais líderes não têm discurso, têm sim objectivos: manter-se ou chegar ao poder, através da popularidade e não da política. Logo precisam do passado e de Salazar para falarem de política.

PSD

Marcelo, o conspirador /premium

Alexandre Homem Cristo

O pior destes 10 dias no PSD foi a interferência de Marcelo. Que o PSD se queira autodestruir, é problema seu. Que o Presidente não saiba agir dentro dos seus limites institucionais, é problema nosso.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)