Entre 2011, ano da entrada da troika, e 2017 o salário médio no setor público cresceu duas vezes mais do que aquele que foi o ritmo de crescimento registado no privado. As contas são do Jornal de Notícias,  que lembra que o salário médio da função pública era 1384,7 euros em outubro de 2011 e seis anos depois já tinha evoluído para os 1460,7 euros, um crescimento de 6%. Já no privado esse crescimento foi apenas de 3% entre 2011 e 2017 (para 913 euros).

O Jornal de Notícias faz ainda uma pequena radiografia ao trabalho no Estado e no privado, explicando que atualmente existem 671 mil funcionários públicos (14% dos trabalhadores por conta de outrem no país), enquanto no privado trabalham quase quatro milhões de pessoas (3 948 700).

Já o salário mínimo, em 2019, também será diferenciado entre o setor público e o setor privado: 630 euros para os trabalhadores do Estado, 600 euros para os trabalhadores do privado. Recorrendo a diversas fontes (como a Segurança Social, a Caixa Geral de Aposentações, a Organização Internacional do Trabalho e a Direção-Geral da Administração e do Emprego Público), o diário refere ainda que o peso dos precários é de 18,45% no privado e 9,76% na função pública.