Startups

Primeiro investimento da Bright Pixel nos EUA é numa startup que é uma “fénix” renascida

Domingos Bruges criou a Muzzley, mas "não correu bem". Pegou no que aprendeu e recriou a startup com um novo nome e produto. A Habit Analytics recebeu cerca de 600 mil euros da Bright Pixel.

A Habit Analytics, com uma fundadora norte-americana e um português, nasceu de uma startup portuguesa, a Muzzley (Imagem HABIT/FACEBOOK)

Domingos Bruges criou uma startup, a Muzzley, que “não correu bem”, conta ao Observador Alexandre Teixeira dos Santos, responsável pela área de investimento da Bright Pixel. E em 2019 decidiu mudar o modelo de negócio: deixou de apostar na plataforma que queria pôr aparelhos eletrónicos a falar uns com os outros e transformou-a na Habits Analytics, que analisa dados com recurso a inteligência artificial. Resultado? A Bright Pixel, que seguia “com interesse” o percurso de Domingos, escolheu a startup com escritórios em Nova Iorque para fazer o seu primeiro investimento nos Estados Unidos da América.

O investimento na Habits Analytics foi de “cerca de 600 mil euros” e, para fechar todos os pormenores, foi preciso esperar sete meses para concluir a operação. Esta aposta da Bright Pixel vai permitir abrir portas a outros investimentos no país, explica o investidor, mas, neste caso, o ADN português da Habit Analytics ajudou bastante. “Cada vez mais vamos ver empresas assim [com forte presença portuguesa]”, defende o investidor da Bright Pixel.

Enquanto a Muzzley era uma startup “muito virada para o consumo”, a Habit Analytics foi adaptada para fornecer dados a clientes empresariais, como seguradoras. Passou de um modelo de negócio de “B2C” [“Business to Consumer”, no qual a transação digital é direta entre a empresa e o consumidor] para “B2B” [“Business to Business”, no qual se disponibiliza o produto e os clientes são as empresas], explica Domingos Bruges.

Domingos Bruges estava a frequentar o programa de aceleração da Techstars nos EUA , quando conheceu Sasha DeWitt, com quem fundou a Habit Analytics e que tem sido “grande responsável pela expansão nesta região”.

O renascimento da startup foi como uma espécie de fénix (pássaro mitológico que morre e renasce das cinzas). “Sim, podemos dizer que sim”, ri-se Domingos, ao telefone de Nova Iorque. Que as startups falham, é um facto, mas há quem não perca tempo em voltar a arriscar e foi isso que o empreendedor, que agora divide o tempo entre Nova Iorque e Lisboa, fez, aproveitando o conhecimento que já tinha adquirido com a Muzzley.

A Muzzley era um empresa de IoT [Internet das Coisas] e foi necessário reestrututar. Era fundador e diretor tecnológico e passei a presidente executivo. Adquirimos a Muzzley. Fizemos [com a Sasha] o buyout (comprar a empresa por completo) e reestruturou-se a operação”, conta Domingos Bruges.

Com esta reestruturação, a empresa manteve-se nos EUA. A sede é no Delaware, como é comum na maioria das empresas no país (o Estado tem legislação que cativa muito as empresas e chega a ser comparado a um paraíso fiscal), mas os escritórios são em Nova Iorque. Contudo, a equipa de desenvolvimento funciona em Lisboa. “Temos bastante experiência em Portugal”, afirma o empreendedor, dizendo também que, no futuro, a base de desenvolvimento do produto vai continuar no país.

A Habit Analytics, atualmente, já tem clientes como a seguradora Allianz. O software desenvolvido pela Muzzley para IoT foi adaptado e, agora, permite a estas empresas “ter informações muito mais precisas sobre os clientes”, explica Alexandre Teixeira dos Santos. Nesta ronda de investimento, a Bright Pixel, fundada por Celso Martinho, ex-diretor do Sapo e que tem como objetivo investir em projetos tecnológicos “em fase prematura”, não foi a única a participar. Ao todo, a Habit Analytics angariou 1,8 milhões de euros, de fundos como o “Partnership for New York City”, que investe em empresas que operam em Nova Iorque, entre outros.

Para a portuguesa Bright Pixel este montante representou “o segundo maior investimento” até à data numa startup. Com este primeiro investimento nos EUA, Domingos Bruges assume que vai continuar a voltar a Portugal, mas vai continuar a passar “dois terços do tempo” em Nova Iorque. Nos “próximos 14 meses”, como conta, o objetivo é continuar a crescer no número de clientes. Já a Bright Pixel, que apesar de investir maioritariamente em Portugal, já apostou em startups em países como Espanha, França e Polónia, assume que vai investir “cada vez mais em startups que não são só portuguesas”.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mmachado@observador.pt
Governo

2019 no mundo e em Portugal

Inês Domingos

Vinte anos depois do calendário, passada a crise, 2019 é o ano em que política, social e economicamente entramos realmente no novo século. Este Governo está aflitivamente impreparado para o enfrentar.

Governo

2019 no mundo e em Portugal

Inês Domingos

Vinte anos depois do calendário, passada a crise, 2019 é o ano em que política, social e economicamente entramos realmente no novo século. Este Governo está aflitivamente impreparado para o enfrentar.

Política

O Povo é sempre o mesmo

Pedro Barros Ferreira

Trump e Bolsonaro não apareceram de gestação expontânea, antes pela sementeira criada pelos partidos e políticos que nada fazem, mas que dizem que tudo deve mudar para que, afinal, tudo fique na mesma

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)