Ford

Ford anuncia corte de pessoal na Europa

A Ford não concretizou números, numa decisão que está ainda pendente da negociação com os parceiros sociais. A empresa quer reforçar a sua posição competitiva e a sua rentabilidade na Europa.

JASON SZENES/EPA

Autor
  • Agência Lusa

O fabricante de automóveis norte-americano Ford anunciou esta quinta-feira um corte de pessoal na Europa, mas sem concretizar números, uma decisão ainda pendente da negociação com os parceiros sociais. “As melhorias nos custos estruturais vão apoiar-se no excedente laboral em todas as funções”, explica num comunicado a empresa, que assegura que quer “reforçar” a sua “posição competitiva e a sua rentabilidade” na Europa.

“Estamos a tomar decisões contundentes para transformar o negócio da Ford na Europa”, afirma o vice-presidente do grupo Ford e presidente da Ford Europa, Steven Armstrong. O comunicado sublinha que “a curto prazo a Ford está a acelerar as suas ações chave para se pôr em forma e reduzir custos estruturais”.

A “nova estratégia” inclui o encerramento em agosto próximo da fábrica de Bordéus (França), o fim da produção do modelo C-MAX e Grand C-MAX na fábrica de Saarlouis (Alemanha), uma reconsideração fundamental da sua atividade na Rússia na sociedade de risco partilhado Ford Sollers e a “consolidação” do seu negócio no Reino Unido.

O fabricante adianta que, para alcançar a redução de custos laborais a que se propôs, recorrerá “na medida do possível” a “baixas voluntárias” e trabalhará “estritamente com os parceiros sociais”.

A empresa está a iniciar “consultas formais” com o seu Conselho Laboral e os sindicatos e está “comprometida” a cooperar com todos os atores envolvidos para pôr em marcha a sua estratégia empresarial para a Europa, adianta o comunicado.

A estratégia do fabricante prevê estabelecer três grupos de negócio na Europa: veículos comerciais, veículos para passageiros e importações, “cada um com aspirações definidas e organizações dedicadas”, refere. A Ford adianta que oferecerá veículos totalmente elétricos e híbridos “para todos os modelos” e que “melhorará ou abandonará” as linhas de veículos “menos rentáveis”.

A empresa refere que avaliará uma “potencial aliança” com a concorrente Volkswagen, o maior fabricante de automóveis da Europa, para “apoiar o crescimento dos veículos comerciais”.

Participe nos Prémios Auto Observador e habilite-se a ganhar um carro

Vote na segunda edição do concurso dedicado ao automóvel cuja votação é exclusivamente online. Aqui quem decide são os leitores e não um júri de “especialistas” e convidados.

Participe nos Prémios Auto ObservadorVote agora
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
PCP

Patrão santo, funcionário posto fora da loja /premium

José Diogo Quintela

Estou chocado. Nunca pensei que o PCP não cumprisse a lei laboral. Mas o PCP está ainda mais chocado: nunca pensou ser obrigado a cumprir a lei laboral. É que escrevê-la é uma coisa, obedecê-la outra.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)