Moçambique

Antigo ministro das Finanças moçambicano defende julgamento do seu sucessor

Tomaz Salomão defende que o julgamento de Manuel Chang, envolvido no processo de dívidas ocultas, deve assegurar a recuperação do dinheiro desviado e que o Estado não deve pagar as dívidas.

Chang foi detido a 29 de dezembro na África do Sul, quando estava em trânsito para o Dubai, num processo em que também estão detidos três antigos funcionários do Credit Swisse e um responsável da Privinvest

António Silva/LUSA

O antigo ministro das Finanças de Moçambique Tomaz Salomão defendeu esta segunda-feira o julgamento do seu sucessor Manuel Chang para que sirva de exemplo, assinalando que o país deve recuperar os recursos desviados na operação das dívidas ocultas.

Eu não estou preocupado com o sítio onde ele vai ser julgado, é bom que ele seja julgado, para que sirva de exemplo, para que coisas destas não se repitam”, afirmou Tomaz Salomão, em declarações esta segunda-feira à Rádio Moçambique.

O antigo ministro das Finanças considerou ilegal e criminoso o alegado recurso secreto a garantias do Estado que resultou na angariação de empréstimos fora das contas do públicas e que terão sido usados para o pagamento de subornos a dirigentes do Estado.

Usar garantias do Estado para obter financiamentos, quer internos quer externos, para depois os distribuir ou ocultá-los em contas alheias ao Estado é ilegal e criminoso”, declarou Tomaz Salomão, que é atualmente membro da Comissão Política da Frente de Libertação de Moçambique (Frelimo), partido no poder no país.

O antigo ministro das Finanças moçambicano defendeu que o julgamento de Manuel Chang e de outras pessoas alegadamente envolvidas na contração dos empréstimos deve assegurar a recuperação do dinheiro desviado, assinalando que, provavelmente, o Estado moçambicano não deve pagar os montantes das dívidas.

“Além de julgar os envolvidos, vamos garantir que estes bens sejam recuperados e amanhã, eventualmente, vamos discutir se Moçambique tem alguma coisa a pagar ou não”, acrescentou.

O antigo ministro das Finanças de Moçambique volta na sexta-feira ao tribunal para ser ouvido em relação a um pedido de extradição feito pela Justiça norte-americana pelo seu envolvimento na operação das dívidas ocultas, que considera que também violou a legislação económica e financeira norte-americana.

Chang foi detido a 29 de dezembro na África do Sul, quando estava em trânsito para o Dubai, num processo em que também estão detidos três antigos funcionários do Credit Swisse e um responsável da Privinvest, a fornecedora dos equipamentos comprados com parte do dinheiro dos empréstimos.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)