O Futebol Clube do Porto vai avançar com uma queixa-crime contra o Benfica e Valdemar Duarte, jornalista da BTV, na sequência do relato que foi feito do clássico desta terça-feira, a contar para as meias-finais da Taça da Liga. Em causa estão as declarações que o jornalista fez antes e durante a partida que, segundo os portistas, representaram um “incitamento ao ódio inaceitável”.

Segundo o comunicado publicado no site do clube, será feita também “uma participação às autoridades desportivas, à ERC [Entidade Reguladora para a Comunicação Social] e ao Sindicato de Jornalistas, porque o Valdemar Duarte tem carteira profissional”. “Aqueles insultos sucessivos aos nossos jogadores são inaceitáveis. Isto não é um comportamento virgem, é um comportamento recorrente e importa ter noção que o Benfica acha que está acima de todos os regulamentos e todas as leis”, afirmou Francisco J.Marques, diretor de comunicação do FC Porto, citado em comunicado.

Francisco J. Marques publicou no Twitter uma série de excertos do relato onde Valdemar Duarte se refere ao FC Porto como “corja” quando aborda o atraso do jogo. Durante a partida, o jornalista disse não querer tratar os jogadores do FC Porto pelos nomes “porque são bandidos que estão dentro de campo”, referindo-se a Felipe, Alex Telles e Pepe como “os bandidos-mor que batem nos adversários e insultam toda a gente”. “Os bandidos maiores são os que estão fora do campo”, disse ainda Valdemar Duarte durante o relato do jogo.

O jornalista falou também de Luís Gonçalves, diretor geral para o futebol do FC Porto: “Este mafioso do engenheiro Luís Gonçalves mete nojo. Dizer que é um cão é ofender a raça canina”, referiu.

“Mais uma vez fica evidente que um operador televisivo que tem pessoas a insultar clubes concorrentes não pode, não deve, fazer transmissões dos jogos da sua equipa principal. Esperamos que as autoridades desportivas tomem medidas, isto ultrapassa todos os limites, é um incitamento ao ódio inaceitável. Alguém tem de por mão nisto. O que o Valdemar Duarte fez não foi apenas uma falta de fair-play. Foi um discurso de ódio e definitivamente é preciso acabar com isto. Esperamos que o Benfica também tome medidas e que sinta vergonha por este tipo de comportamento”, disse ainda Francisco J.Marques, citado em comunicado.

O FC Porto, recorde-se, vai enfrentar o Sporting este sábado na final da Taça da Liga, depois de vencer o Benfica por 3-1. O jogo da meia-final ficou marcado pelo descontentamento em relação à arbitragem. Fábio Veríssimo, que foi o VAR da partida, pediu, entretanto, dispensa por tempo indeterminado.