Cultura

Diretor do AmadoraBD demite-se de cargo que ocupa há 20 anos

Nelson Dona vai sair da direção por razões pessoais e por não estar disponível para trabalhar nas mesmas condições, afirmando que o festival vai fazer 30 anos e como tal precisa de renovação.

Nelson Dona está ligado ao festival desde a primeira edição e é diretor desde 1999

RITA QUEIROZ/LUSA

O diretor do Festival de Banda Desenhada da Amadora, Nelson Dona, demitiu-se do cargo que ocupava há 20 anos, justificando que o AmadoraBD precisa de renovação, revelou à agência Lusa. “O festival vai fazer 30 anos e como qualquer projeto precisa de renovação”, afirmou Nelson Dona.

Ligado ao festival desde a primeira edição e diretor desde 1999, Nelson Dona explicou que sai da direção também por razões pessoais e por “não estar disponível para trabalhar nas mesmas condições”.

“Há um problema de adequação entre o que é um grande evento cultural e os tempos de um organismo público. O empenho da Câmara [Municipal da Amadora] é grande, mas quando planeamos todos juntos vamos encontrando uma série de bloqueios legais e temos de encontrar soluções para o que deveria ser simples”, referiu.

Questionada pela Lusa, fonte oficial da Câmara Municipal da Amadora lembrou que o AmadoraBD “celebra este ano a sua 30.º edição, um marco importante na história do maior festival de banda desenhada do país, sendo também para o Município da Amadora uma oportunidade para rejuvenescer a equipa e dar um novo impulso ao festival, mantendo a qualidade que sempre lhe foi reconhecida”. O município acrescentou que “o Amadora BD continuará a ser dirigido e promovido pela autarquia”.

O AmadoraBD, que é considerado um dos eventos culturais emblemáticos da Amadora, decorre anualmente entre outubro e novembro com exposições, apresentações de livros, sessões de autógrafos e atribuição de prémios. Nos últimos anos, grande parte da programação do festival tem decorrido no Fórum Luís de Camões, embora tenha eventos espalhados pela cidade. Além da direção do AmadoraBD, Nelson Dona programou no Centro Nacional de Banda Desenhada e Imagem entre 1999 e 2013.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Política

O caso Berardo e o regresso a Auschwitz

Luís Filipe Torgal

A psicologia de massas, manipulada pelos novos cénicos «chefes providenciais», vai transfigurando a história em mito, crendo num «admirável mundo novo», depreciando a democracia, diabolizando a Europa

Eleições Europeias

Não há eleições europeias /premium

João Marques de Almeida

O parlamento europeu serve sobretudo para reforçar o poder dos grandes países, cujos partidos dominam os grupos políticos e, principalmente, as comissões parlamentares se fazem as emendas legislativas

Política

O caso Berardo e o regresso a Auschwitz

Luís Filipe Torgal

A psicologia de massas, manipulada pelos novos cénicos «chefes providenciais», vai transfigurando a história em mito, crendo num «admirável mundo novo», depreciando a democracia, diabolizando a Europa

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)