Venezuela

Militares venezuelanos bloqueiam ponte que liga o país à Colômbia para impedir ajuda humanitária

11.756

Os militares bloquearam a estrutura por supor que a ajuda humanitária passaria por lá para entrar na Venezuela. O presidente interino, Juan Guaidó, já fez um apelo às Forças Armadas.

A circulação pela ponte que liga o país à Colômbia, na localidade de Tienditas, foi bloqueada pela Guarda Nacional Bolivariana

EDINSON ESTUPINAN/AFP/Getty Images

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

Militares venezuelanos bloquearam esta quarta-feira uma ponte que liga o país à Colômbia, na localidade de Tienditas. De acordo com Alba Pereira, da organização não-governamental Between Two Lands, a circulação pela ponte foi bloqueada por funcionários da Guarda Nacional Bolivariana, polícia militar que compõe as Forças Armadas venezuelanas.

Segundo o deputado opositor venezuelano Franklyn Duarte, os militares bloquearam a estrutura por supor que a ajuda humanitária passaria por lá para entrar na Venezuela. O autoproclamado Presidente interino da Venezuela, Juan Guaidó, apelou, também esta quarta-feira, sob a forma de uma ordem direta, às Forças Armadas venezuelanas para que permitam a entrada de ajuda humanitária no país. De novo, às Forças Armadas, uma ordem direta:

Permitam a entrada da ajuda humanitária necessária paraa atender as suas famílias, a irmã, mãe, mulher que, com certeza, necessitam de suprimentos e alguns deles, lamentavelmente, com certeza também terão infeções”, disse Guaidó.

Para Juan Guaidó, a receção de ajuda humanitária é um “teste” às Forças Armadas Venezuelanas que terão de decidir entre permitir a entrada daquela ou continuar leais, como até agora têm estado, ao presidente da Venezuela, Nicolás Maduro. Juan Guaidó falava em Caracas, na Universidade Católica Andrés Bello, durante um evento com representantes agroindustriais, da Federação de Produtores de Gado da Venezuela e da Confederação das Associações de Produtores Agropecuários da Venezuela.

Desde o passado dia 23 de janeiro, dia em que se autoproclamou Presidente interino da Venezuela, Juan Guaidó tem insistido que os militares devem permitir a entrada de ajuda humanitária no país, proveniente de três centros de acolhimento internacionais, no Brasil, na Colômbia e numa ilha das Caraíbas.

A ajuda humanitária internacional destina-se, inicialmente, a atender mais de 300 mil pessoas que estão em risco no país, adiantou segundo Juan Guaidó. A imprensa venezuelana dá conta da existência de ajuda humanitária na localidade colombiana de Cucúta, nas proximidades da fronteira.

A crise política na Venezuela agravou-se no dia 23 de janeiro, quando o líder da Assembleia Nacional, Juan Guaidó, se autoproclamou Presidente da República interino e declarou que assumia os poderes executivos de Nicolás Maduro. Nicolás Maduro, 56 anos, chefe de Estado desde 2013, recusou o desafio de Guaidó e denunciou a iniciativa do presidente do parlamento, maioritariamente da oposição, como uma tentativa de golpe de Estado liderada pelos Estados Unidos. Segundo as Nações Unidas, desde 2015 mais de 2,3 milhões de venezuelanos abandonaram a Venezuela, para escapar da crise política, económica e social.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)