Rádio Observador

Política

Portugal apresenta à World Government Summit projeto “3 em Linha” e Orçamento Participativo

A ministra da Presidência e da Modernização Administrativa à World Government Summit, no Dubai, o programa "3 em Linha" de harmonização das vidas pessoal, familiar e profissional.

NUNO ANDRÉ FERREIRA/LUSA

A ministra da Presidência e da Modernização Administrativa, Maria Manuel Leitão Marques, apresentou este domingo na World Government Summit, no Dubai, o programa “3 em Linha” de harmonização das vidas pessoal, familiar e profissional.

O programa, definido pelo atual Governo, visa agregar medidas de mobilização de empregadores privados, entidades públicas e municípios para ajudar a criar condições para uma efetiva igualdade entre homens e mulheres.

O “3 em linha” prevê, entre várias ações, o alargamento da licença parental inicial exclusiva do pai de 15 para 20 dias úteis, o direito à dispensa, até três horas, para acompanhamento de crianças até 12 anos no primeiro dia do ano letivo, a iniciar em 2019-2020.

A lista inclui, sem referir números ou montantes, a redução da comparticipação familiar em creches a partir do segundo filho, o aumento do valor do abono de família em função da idade, nos primeiros seis anos de vida, e o alargamento do aumento em agregados com dois ou mais filhos, para crianças com menos de 1 ano.

Estações de transportes públicos com casas de banho para muda de fraldas ou salas de estudo e incentivos à criação de mais creches nas áreas metropolitanas de Lisboa e Porto ou mais espaços de apoio a pessoas com deficiência são outras medidas elencadas.

O impacto do programa, que envolve Governo, empresas, administração pública e autarquias, será avaliado em 2021.

Em declarações à Lusa, Maria Manuel Leitão Marques referiu que a medida portuguesa foi um dos temas abordados no Fórum Felicidade e Bem-Estar na World Government Summit, que vai na sua sétima edição e que reúne no Dubai, em 2019, mais de 4.000 participantes de cerca de 150 países.

“Houve um grande interesse do grupo [daquele painel] pela maneira como estamos a executar a operacionalidade do programa”, disse.

No âmbito da cimeira, que decorre até terça-feira, a ministra da Presidência e da Modernização Administrativa vai ainda apresentar ao Governo do Dubai o modelo português de Orçamento Participativo, tendo mesmo seguido para os Emirados Árabes Unidos uma equipa técnica com o objetivo de explicar, na prática, o ‘modus operandi’ do modelo.

“Os Emirados querem replicar, naturalmente à sua maneira, o nosso Orçamento Participativo. Para esse efeito, vamos ter reuniões a dois níveis: Um político, para apresentação dos conceitos subjacentes ao programa, e outro técnico, onde explicaremos as fases de preparação do orçamento e os métodos de seleção das ideias, como as pôr a votação e como as implementar”, disse a ministra.

Maria Manuel Leitão Marques vai ainda apresentar, na segunda-feira, as duas leis aprovadas na sexta-feira na Assembleia da República para uma maior igualdade entre mulheres e homens.

Na apresentação, que ocorrerá no Fórum Women in Govern, a ministra portuguesa explicará como irão funcionar a lei que aumenta a quota das mulheres nos órgãos representativos e a que permitirá uma representação mais equilibrada nos órgãos da administração pública.

“Vou explicar a importância de legislar para a criação das condições para que as mulheres que assim queiram não se sintam auto-impedidas de exercer esses cargos por causa das tarefas da sua vida familiar”, adiantou.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Política

Portugal: um país anestesiado

José Pinto

A um país anestesiado basta acenar com o Simplex, versão revisitada. Ninguém vai questionar. A anestesia é de efeito prolongado. O problema é se o país entra em coma.

Política

Bem-vindo Donald Trump, António Costa merece!

Gabriel Mithá Ribeiro

A direita em Portugal, e o PSD muito em particular, nunca foram capazes de afirmar um discurso sociológico autónomo. CDS-PP e PSD insistem em nem sequer o tentar, mesmo quando se aproximam eleições.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)