Rádio Observador

Inteligência Artificial

Estratégia nacional prevê inteligência artificial nas áreas da educação e sociedade

A curto e médio prazos, Portugal aponta para estar na rede europeia de centros de excelência em inteligência artificial e trabalhar em conjunto para resolver os problemas da Europa nesta área.

Portugal tem potencia para desenvolver inteligência artificial aplicada a áreas como as redes de energia sustentável, cidades, florestas e oceanos, mobilidade, condução autónoma ou saúde

FACEBOOK / HANDOUT/EPA

A Estratégia Nacional para a Inteligência Artificial antevê que esta tecnologia comece a ser ensinada nas escolas cada vez mais cedo, que se expanda na administração pública e se generalize nas pequenas e médias empresas.

Nos curto e médio prazos, pretende-se “explorar a fundo o potencial da Inteligência Artificial na economia e na sociedade”, de acordo com um esboço da estratégia, que começa a ser discutida publicamente na terça-feira, num encontro com investigadores no Laboratório Ibérico de Nanotecnologia, em Braga.

Nas escolas, a ênfase será no ensino de aprendizagem automática básica aos alunos mais jovens, em “clubes de ciência”, propondo aos estabelecimentos de ensino desafios em áreas como o ambiente ou a biodiversidade.

Os núcleos de alunos treinados nesta área serão levados depois a colaborar uns com os outros, produzindo vídeos e outros conteúdos multimédia focados em temas como a biologia ou a História das várias regiões, que são depois colocados numa rede que permite acesso a todos.

As escolas participarão também em campeonatos de código de programação, ultrapassando desafios com os conhecimentos que os alunos adquiriram.

No ensino superior, a estratégia prevê a constituição de redes locais para as qualificações digitais, envolvendo universidades, politécnicos (onde já se fazem cursos curtos) e empresas, para que os trabalhadores ganhem novas qualificações e se adaptem às alterações ao trabalho introduzidas pela inteligência artificial.

Em termos mais gerais, na estratégia portuguesa entende-se a inteligência artificial como campo para fomentar “robustez social”, assumindo os impactos da inteligência artificial “na democracia, privacidade, segurança, justiça, mercado laboral, transparência e equidade”.

Outros eixos são a criação de emprego, ressalvando “a inclusão de todos os trabalhadores afetados” pela inteligência artificial e a “transformação dos serviços públicos” com a incorporação de projetos que usam a inteligência artificial para os melhorar, como os que já estão em curso no âmbito do programa “INCODE 2030”.

A curto e médio prazos, Portugal aponta para estar na rede europeia de centros de excelência em inteligência artificial, concertados com a indústria e trabalhando em conjunto para resolver os problemas da Europa nesta área.

Na estratégia aponta-se o potencial de Portugal para desenvolver inteligência artificial aplicada a áreas como as redes de energia sustentável, cidades, florestas e oceanos, mobilidade, condução autónoma ou saúde.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Política

Alguns mitos da democracia portuguesa /premium

André Abrantes Amaral

Alguns mitos desta democracia: que está tudo bem, que os portugueses são racistas e que a direita não existe porque é socialista. Contudo, como sucede com os verdadeiros mitos, estes também são falsos

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)