Inteligência Artificial

Estratégia nacional prevê inteligência artificial nas áreas da educação e sociedade

A curto e médio prazos, Portugal aponta para estar na rede europeia de centros de excelência em inteligência artificial e trabalhar em conjunto para resolver os problemas da Europa nesta área.

Portugal tem potencia para desenvolver inteligência artificial aplicada a áreas como as redes de energia sustentável, cidades, florestas e oceanos, mobilidade, condução autónoma ou saúde

FACEBOOK / HANDOUT/EPA

A Estratégia Nacional para a Inteligência Artificial antevê que esta tecnologia comece a ser ensinada nas escolas cada vez mais cedo, que se expanda na administração pública e se generalize nas pequenas e médias empresas.

Nos curto e médio prazos, pretende-se “explorar a fundo o potencial da Inteligência Artificial na economia e na sociedade”, de acordo com um esboço da estratégia, que começa a ser discutida publicamente na terça-feira, num encontro com investigadores no Laboratório Ibérico de Nanotecnologia, em Braga.

Nas escolas, a ênfase será no ensino de aprendizagem automática básica aos alunos mais jovens, em “clubes de ciência”, propondo aos estabelecimentos de ensino desafios em áreas como o ambiente ou a biodiversidade.

Os núcleos de alunos treinados nesta área serão levados depois a colaborar uns com os outros, produzindo vídeos e outros conteúdos multimédia focados em temas como a biologia ou a História das várias regiões, que são depois colocados numa rede que permite acesso a todos.

As escolas participarão também em campeonatos de código de programação, ultrapassando desafios com os conhecimentos que os alunos adquiriram.

No ensino superior, a estratégia prevê a constituição de redes locais para as qualificações digitais, envolvendo universidades, politécnicos (onde já se fazem cursos curtos) e empresas, para que os trabalhadores ganhem novas qualificações e se adaptem às alterações ao trabalho introduzidas pela inteligência artificial.

Em termos mais gerais, na estratégia portuguesa entende-se a inteligência artificial como campo para fomentar “robustez social”, assumindo os impactos da inteligência artificial “na democracia, privacidade, segurança, justiça, mercado laboral, transparência e equidade”.

Outros eixos são a criação de emprego, ressalvando “a inclusão de todos os trabalhadores afetados” pela inteligência artificial e a “transformação dos serviços públicos” com a incorporação de projetos que usam a inteligência artificial para os melhorar, como os que já estão em curso no âmbito do programa “INCODE 2030”.

A curto e médio prazos, Portugal aponta para estar na rede europeia de centros de excelência em inteligência artificial, concertados com a indústria e trabalhando em conjunto para resolver os problemas da Europa nesta área.

Na estratégia aponta-se o potencial de Portugal para desenvolver inteligência artificial aplicada a áreas como as redes de energia sustentável, cidades, florestas e oceanos, mobilidade, condução autónoma ou saúde.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Inteligência Artificial

A Sinfonia Inacabada

Carlos Lemos

Dificilmente a Inteligência Artificial daria ao mundo os acordes da "Eroica" ou as cores de Van Gogh – a criatividade humana dificilmente será ultrapassada por um iShakespeare ou um #rembrandt.

Inovação

Uber: o entrepreneur vai nu?

Fernando Pinto Santos
184

O dinheiro dos investidores da Uber subsidia as viagens e é o que permite a oferta de preços competitivos. Isto é sustentável? É este o paradigma de empreendedorismo que desejamos?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)