Rádio Observador

Sporting

As contas do Sporting: 12,375 milhões gastos, 4,4 milhões recebidos, Nani a custo zero e Renan garantido

Sporting SAD apresentou à CMVM contas do mercado de inverno, já com as saídas de Montero, Nani e Castaignos (a custo zero). Leões gastaram 12,375 milhões em sete jogadores. Renan já pertence ao clube.

Idrissa Doumbia, médio marfinense que jogava na Rússia, foi a compra mais cara dos leões neste mercado de inverno

PEDRO_ROCHA

A Sporting SAD apresentou esta quarta-feira à CMVM o balanço final de todas as operações neste mercado de inverno, incluindo já as recentes saídas de Montero, Nani e Luc Castaignos – todas a custo zero, com os leões a libertarem-se dos salários dos três. Contas feitas, o conjunto verde e branco teve um saldo negativo a rondar os oito milhões de euros entre compras e vendas, número que poderá equilibrar em termos de folha salarial com a saída dos três elementos ofensivos nos últimos dias.

Olhando para o balanço das contas, Idrissa Doumbia foi o jogador mais caro contratado pelo Sporting em janeiro. O médio da Costa do Marfim que jogava no Akhmat Grozny teve um custo total de 4,28 milhões de euros (que podem ainda subir mais 500 mil euros por objetivos), entre valor por 100% do passe (3,8 milhões) e comissões (480 mil euros). Os russos ficaram ainda com 25% da mais valia numa futura transferência. Já Cristián Borja, colombiano que chegou dos mexicanos do Toluca, custou 3,1 milhões que podem ainda chegar aos 3,8 por 80% do passe, salvaguardando a opção de compra dos restantes 20% até ao final do ano. Tiago Ilori voltou a Alvalade por 2,6 milhões de euros por 60% do passe vindo dos ingleses do Reading, garantindo os leões a hipótese de adquirir o restante dos direitos económicos até fevereiro de 2020.

O relatório confirma também que o Sporting já exerceu a opção prevista pelo guarda-redes Renan Ribeiro, que estava cedido de forma temporária pelo Estoril, a troco de um milhão de euros. Ainda entre as contratações, Gonzalo Plata, jovem promessa equatoriana de 18 anos que jogava no Independiente del Valle, teve um custo de 1,075 milhões de euros (mais 400 mil euros de comissão) por metade do passe, enquanto Luiz Phellype, ex-P. Ferreira, teve um encargo de 500 mil euros por 100% do passe, o mesmo montante que os leões pagaram ao Estoril por metade dos direitos de Matheus Nunes.

Nas saídas, o conjunto verde e branco recebeu apenas de três jogadores: Demiral, jovem central que foi cedido ao Alanyaspor com os turcos a exercerem a opção de 3,5 milhões de euros (tendo já em vista uma venda futura do jogador para Itália); Tiago Djaló, que rendeu 500 mil euros aos leões depois de ter assinado pelo AC Milan; e Marcelo, central brasileiro que rumou ao Chicago Fire por 500 mil dólares, cerca de 440 mil euros ao câmbio atual. Em relação a Euclides Cabral, lateral da equipa B, o Sporting pode receber 100 mil euros do Grasshopers e ficou com 20% de uma futura venda, a mesma percentagem que guardou do central Kiki, do Troyes. Nani, Montero, Luc Castaignos, Bruno César e Fokobo saíram a custo zero.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: broseiro@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)