Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Todos temos aquelas semanas que parecem durar meses. Aquelas semanas em que tudo corre mal e nada parece estar no lugar, seja porque não fazemos por isso ou por simples má vontade do universo. Ora, o estado de espírito de Renan Ribeiro, nesta altura, será totalmente oposto. Em menos de uma semana – foram apenas cinco dias –, o guarda-redes do Sporting soube que vai ser pai pela segunda vez, foi o herói da passagem dos leões à final da Taça da Liga ao defender três penáltis de jogadores do Sp. Braga na meia-final, voltou a defender uma grande penalidade contra o FC Porto e foi decisivo na conquista do troféu que levantou no dia do aniversário da mãe. A quarta semana de janeiro de 2019 terá sido uma das melhores na vida de Renan.

Uma vitória que foi o espelho dos acidentados 43 minutos de Petrovic em campo (a crónica do FC Porto-Sporting)

Quando chegou a Alvalade, em agosto do ano passado, Sousa Cintra – então presidente interino da SAD leonina – comparou-o a Cristiano Ronaldo, “que sempre trabalhou e continua a trabalhar”. O paralelismo, na altura, motivou brincadeiras e comentários irónicos, já que o antigo líder estava a comparar aquele que é considerado um dos melhores jogadores do mundo com um guarda-redes de 28 anos que, até chegar ao Sporting, tinha jogado no Atl. Mineiro, no São Paulo e no Estoril. Mas o líder da SAD verde e branca continuava: “O Renan Ribeiro tem provas dadas, não é inexperiente. Outros grandes clubes, dentro e fora de Portugal, queriam-no exatamente pelas suas qualidades”. E a verdade é que Renan não é Ronaldo mas podia ter mais parecido.

Em novembro, em entrevista à Sporting TV, o guarda-redes contou que no início da carreira jogava em zonas mais avançadas do terreno mas acabou por recuar para a baliza por necessidade da equipa. Na mesma entrevista, falou sobre o grande à vontade que tem a jogar com os pés, da forma como adotou essa característica e de como Rogério Ceni, atual treinador do Fortaleza que jogou mais de 20 anos no São Paulo enquanto guarda-redes, o influenciou. “Vinha do Atlético, o futebol estava a passar por uma transformação e era necessário o guarda-redes jogar com os pés. O Rogério Ceni sempre teve essa característica e quando eu cheguei ao São Paulo achei que faltava isso [jogar melhor com os pés]. O futebol estava a modernizar e pude aproveitar para aprender, jogar com os pés, olhar para o treino dele. É trabalho. Temos de trabalhar, ter confiança para jogar com os pés. Agradeço muito ao Rogério Ceni como pessoa, atleta e treinador”, revelou Renan Ribeiro.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Sousa Cintra compara Renan Ribeiro a Cristiano Ronaldo

Este sábado, o guarda-redes voltou a fugir à tradição de mudar de guarda-redes nos jogos das taças e foi titular na final contra o FC Porto. Renan defendeu o penálti de Hernâni (o terceiro) e viu Éder Militão atirar ao lado e Felipe acertar na barra. Depois de ficar muito mal na fotografia do golo de Fernando Andrade que colocou os dragões em vantagem no tempo regulamentar, voltou a ser herói e voltou a ser elogiado por treinador e companheiros. Na flash interview, já depois do apito final e da festa no relvado do Municipal de Braga, o brasileiro enviou uma mensagem de agradecimento a Marcel Keizer, que é “uma pessoa excecional”, e contou então que tinha um motivo adicional para querer vencer este sábado. “Tinha duas pressões. Comemorar com a bola na barriga e hoje é o aniversário da minha mãe”, revelou Renan, dando depois “os parabéns ao grupo”. “Nós sempre acreditámos que íamos virar o resultado pois o grupo está unido e todos tentam ajudar-se”, acrescentou.

Renan, o herói que sobreviveu à tradição das taças e colocou o Sporting na primeira final da temporada

E se na passada quarta-feira foi a vez de Marcel Keizer assinalar a boa exibição de Renan, desta vez esse papel coube a Bas Dost. O avançado do Sporting – que converteu a grande penalidade que deu o empate e depois marcou o primeiro penálti da série de cinco – disse que vencer desta forma, a sofrer, “é incrível”. “Ganhamos sempre nos penáltis. Trabalhamos muito e felizmente conseguimos marcar nos últimos minutos”, atirou, para depois olhar diretamente para as câmaras televisivas e, com o polegar levantado, afirmar: “O Renan foi incrível. Defendeu três penáltis na quarta-feira e agora outra vez. Very good!”.

A semana de Renan Ribeiro teve ainda outra boa notícia. As exibições do guarda-redes ex-Estoril têm agradado aos responsáveis leoninos que, nos últimos dias, decidiram acionar a opção de compra estabelecida no acordo de empréstimo com o clube da Linha. O Sporting vai pagar um milhão de euros, conforme previsto na cláusula do jogador, e prolongar o vínculo por mais quatro temporadas, ou seja, até junho de 2023. Ainda antes de saber que o guarda-redes voltaria a ser decisivo, as redes sociais do Sporting perguntavam esta tarde se estaria em Braga um “Super Reinan”, colocando o brasileiro na pele de Son Goku, da série Dragon Ball. Mais ou menos animado, o número 40 voltou a ser herói nos leões.