Rádio Observador

Mobile World Congress

Startup portuguesa DefinedCrowd quer contratar 70 pessoas

1.842

A DefinedCrowd, fundada pela portuguesa Daniela Braga, e sediada em Seattle, nos EUA, está a recrutar 70 pessoas para os escritórios de Lisboa e Porto para fazer face aos pedidos dos clientes.

Daniela Braga está no MWC com a DefinedCrowd pela primeira vez. O evento decorre de 25 a 28 de fevereiro

MANUEL PESTANA MACHADO/OBSERVADOR

A DefinedCrowd, empresa de análise de dados com recurso a inteligência artificial, fundada por Daniela Braga, vai contratar “mais de 70 pessoas profissionais” até ao final de 2019, anunciou a empresa no Mobile World Congress (MWC), a maior feira de smartphones e tecnologia móvel do mundo, onde está pela primeira vez. Apesar de estar sediada nos Estados Unidos da América, em Seattle, tem escritórios em Tóquio, no Japão, em Lisboa e no Porto.

Vamos começar a gastar um milhão de dólares em pessoas. Financeiramente, vamos ver o retorno muito em breve. Este ano ano vamos fazer o break-even [ponto de equilíbrio a partir do qual o projeto começa a ser rentável]”, disse Daniela Braga, presidente executiva e fundadora da DefinedCrowd ao Observador.

As vagas contemplam os departamentos de desenvolvimento, produto, marketing e operações, com vagas para programadores de software (frontend, backend e full stack), QA Automation Engineers, e Machine Learning Engineers. O recrutamento é “maioritariamente para os escritórios de Lisboa e Porto”, com hipótese de algumas vagas serem para os escritórios fora de Portugal. Qual é o objetivo desta busca de talento? “Expansão do produto da empresa: uma plataforma que permite aos cientistas de dados recolher, estruturar e enriquecer dados de treino de alta qualidade para aplicações de IA”, diz a DefinedCrowd em comunicado.

Atualmente, a empresa tem clientes como “a BMW e a Mastercard” ou as portuguesas “EDP e Grupo Mello Saúde”. Fundada em 2015 e com mais de 40 clientes a nível global, agora, o objetivo a médio prazo “é ambicioso”, diz Daniela Braga: “Queremos ser a empresa número um de dados para Inteligência Artificial no mundo”. A startup conta com um investimento de 12,9 milhões de dólares em três anos

Mesmo sem ter uma aposta nas tecnologias móveis, a DefinedCrowd é uma das empresas com ADN português que está no MWC. A razão da “primeira presença num evento europeu”, deve-se ao apoio governo do Estado onde a empresa está sediada e onde, desde 2012, Daniela Braga vive: o Estado de Washington, no noroeste dos Estados Unidos da América. “A delegação do Estado de Washigton tem sido excelente no nosso crescimento”, afirma a executiva que já trabalhou na Microsoft no desenvolvimento de linguística em inteligência artificial.

O esforço em alcançar o break-even este ano, mesmo com a contratação de 70 novas pessoas para a empresa (atualmente, tem já 80 espalhados pelos vários escritórios), vai ser conseguido, diz a executiva. Como? Devido aos pedidos dos clientes atuais. Para tal, o rendimento necessário para este efeito até ao final do ano já está a contemplar os 70% das receitas que vão ser conseguidas em 2019 com os clientes atuais. Mas a executiva vê mais crescimentos.

*O Observador está no Mobile World Congress a convite da Huawei Portugal.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mmachado@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)