O livro ilustrado “A guerra”, de André Letria e José Jorge Letria, é um dos vencedores do concurso “Talking Pictures” promovido pela New York Rights Fair, dedicada ao negócio livreiro, em maio, nos Estados Unidos.

De acordo com a organização, o concurso “Talking Pictures” insere-se numa iniciativa cultural que decorre dentro daquela feira de negócio de direitos do mercado livreiro, e distingue obras literárias de todo o mundo, em várias áreas.

Na categoria de livro ilustrado para a infância, foram reconhecidos três livros, entre os quais “A guerra”, escrito por José Jorge Letria e ilustrado por André Letria, que saiu em 2018 pela Pato Lógico. Foram ainda distinguidos livros — numa seleção feita entre 600 obras de todo o mundo — em áreas como arquitetura, design gráfico, banda desenhada e fotografia.

Os autores de todos livros distinguidos terão o trabalho deles em exposição e participarão num encontro, em maio, na New York Rights Fair, em Nova Iorque.

Segundo a editora Pato Lógico, esta é a sexta distinção atribuída a “A guerra”, que se junta a outras como o selo “White Ravens”, da Alemanha, e o Grande Prémio do Concurso Internacional de Ilustração Nami Concours, da Coreia do Sul.  As ilustrações do livro estarão ainda integradas em abril na exposição de ilustração da Feira do Livro Infantil de Bolonha, em Itália.

Editado em maio passado, “A Guerra” tem um título autoexplicativo. É um livro sobre a guerra, com uma narrativa textual que se estende por duas dezenas de frases às quais André Letria deu vida com uma sequência visual paralela e complementar.

A guerra não ouve, não vê e não sente. A guerra sabe sempre onde a temem e a esperam. (…) A guerra é o estrondo e o caos”, lê-se no livro

“A Guerra” volta a juntar José Jorge Letria e André Letria — pai e filho — em torno do livro ilustrado, numa colaboração criativa que ficou fixada em obras como “Lendas do mar” (1998), “Versos de fazer ó-ó” (1999), “Os animais fantásticos” (2004), “Domingo vamos à Luz”(2010) ou “Se eu fosse um livro” (2011).