O presidente da CP — Comboios de Portugal, Carlos Gomes Nogueira, disse esta quarta-feira que o problema da dívida “asfixiante” está em “vias de resolução” e que a empresa está a caminhar para resultados positivos.

A CP ainda não divulgou resultados relativos ao exercício de 2018, mas em 2017 o prejuízo da empresa baixou em 32,6 milhões de euros para 112 milhões de euros, segundo o relatório e contas publicado.

Falando esta quarta-feira na comissão de Economia, Inovação e Obras Pública, Carlos Gomes Nogueira, disse que a empresa está a caminhar para resultados positivos “com a reestruturação financeira, investimento em material circulante, o tráfego a crescer e o contrato de serviço público”.

Isto, apesar de lamentar a falta de investimento público na ferrovia nos últimos anos.

Segundo Carlos Gomes Nogueira, a CP também não tem sentido “o sufoco das cativações”, referindo que “quem cativa descativa”.

Temos uma dívida asfixiante de 2,6 mil milhões de euros”, disse o responsável, referindo que “o problema está em vias de resolução para o saneamento financeiro da CP”, tendo sido apresentado à tutela um plano de reestruturação financeira para a redução dessa dívida.

“Tem existido uma melhoria substancial nos resultados líquidos”, disse ainda, acrescentando que está em curso o contrato de serviço público que permitirá que a empresa volte a receber compensações pelo serviço público.