Rádio Observador

Comboios

CP tira cinco comboios de circulação todos os dias por falta de material e de manutenção

754

Em 2017 e 2018 foram suprimidos 3322 comboios nas linhas do Oeste, Alentejo e Algarve. Só a falta de material parou 1789 comboios em 2018 entre a Linha do Oeste, do Alentejo e Algarve.

Uma greve dos trabalhadores da Infraestruturas de Portugal, em 2018, paralizou a circulação dos comboios de longo curso

MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Em 2018 a falta de material circulante, ligada a avarias e atrasos de manutenção, levaram a CP a parar 1789 comboios nas linhas do Oeste, Alentejo e Algarve. De acordo com o Jornal Público a média é de cinco comboios por dia. A mais afetada é a Linha do Oeste, em que pararam, por avarias, 1313 comboios entre 2017 e 2018. No Algarve foram 873, enquanto que 225 pararam em Beja.

Nos dois anos foram suprimidos 3322 comboios, no total. A vasta maioria (2411) deveu-se a falta de material, com as greves de funcionários a implicarem a supressão de 855 comboios. Apenas 56 paragens se deveram a problemas com as infraestruturas (carris e estações).

Ainda segundo o Público, as falhas no serviço implicaram uma quebra de passageiros. Na Linha do Oeste a CP perdeu 171 mil passageiros entre 2016 e 2018 (chegando a 313 mil utilizadores totais). Na Linha do Alentejo a diminuição foi menor, passando de 139 mil para 116 mil passageiros (menos 23 mil).

Os lucros da empresa foram afetadas da mesma forma. As receitas da Linha do Oeste diminuíram 18,7% (para 813 mil euros), enquanto na Linha do Alentejo as receitas desceram até aos 301 mil euros (quebra de 13,75%). Só no Algarve houve um aumento de clientes (de 185 mil para 191 mil) e de receitas (de 370 mil para 380 mil).

A CP garantiu que procura sempre responder à supressão de comboios disponibilizando meios de transportes alternativos, como autocarros. Foi o caso em 65% dos comboios parados na Linha do Oeste, 82% no Algarve e pelo menos 60% no Alentejo. Ainda assim, a empresa admitiu ao Público que “o tempo gasto no percurso por estradas nacionais não compensa face ao horário da viagem seguinte no mesmo percurso”. Ou seja, que é mais rápido para os passageiros esperar pelo comboio seguinte.

Os passageiros totais da CP aumentaram durante 2018 por 3,5%, atingindo 126 milhões de clientes anuais. Os grandes centros urbanos (Lisboa e Porto) foram os impulsionadores do crescimento da transportadora ferroviária (em 5% e 1,8%, respetivamente). Nos serviços de longo curso o aumento foi de 3,2% face a 2017.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Comboios

A bordo de um InterRegional

Teresa Cunha Pinto
198

Aceita-se que quem faça viagens nos comboios urbanos possa ir de pé, mas num comboio que liga a Régua ao Porto (1h40 de viagem) não é aceitável.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)