Brexit

Theresa May pedirá à UE apenas um “pequeno adiamento”

Ao contrário do desejo de alguns membros do governo britânico, Theresa May só terá pedido um pequeno adiamento para o Brexit na carta enviada a Donald Tusk .

AFP/Getty Images

Theresa May terá pedido à União Europeia (UE) apenas um pequeno adiamento, de cerca de três meses, para fechar o acordo do Brexit. Segundo diz a Sky News na manhã desta quarta-feira, a primeira-ministra britânica terá enviado uma carta para Donald Tusk, Presidente do Conselho Europeu, pedindo um curto alargamento do prazo, algo que vai contra as pretensões de alguns dos membros do governo, que pretendiam um adiamento mais longo.

Porém, os três meses são apenas uma previsão, já que não foi confirmado o período de tempo que May terá pedido. A Sky News e fonte governamental referem os três meses por o dia 30 de junho ser o último em que o Reino Unido pode permanecer na UE sem participar nas eleições europeias.

A primeira-ministra britânica irá na quinta-feira a Bruxelas para a última reunião com a UE, na qual se espera, diz a Sky News, que os outros 27 Estados membros considerem o pedido de adiamento. Contudo, se a UE o aceitar, o Parlamento terá que aprovar uma mudança na lei para remover a data de saída atual do país de 29 de março — faltam apenas nove dias — para uma nova data, algo que se poderá avizinhar difícil.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Brexit

Boris Johnson /premium

João Marques de Almeida

Em Londres, só um louco ou um suicida é que defenderiam o acordo assinado com a União Europeia. Resta saber se os líderes europeus terão a lucidez de reconhecer o evidente: o acordo que existe morreu.

Finanças Públicas

Como evitar um 4º resgate? /premium

Paulo Trigo Pereira

Portugal necessita de mais doze anos (três legislaturas completas) de crescimento económico e de finanças públicas quase equilibradas para sair da zona de risco financeiro em que ainda se encontra.

Ambiente

A onda verde na UE e os nacionalismos

Inês Pina

Se hoje reduzíssemos as emissões de CO2 a zero já não impedíamos a subida de dois graus centígrados. E estes “míseros” dois graus vão conduzir ao fim das calotas polares e à subida do nível do mar.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)