A Câmara Municipal de Sintra não permitiu que Madonna levasse um cavalo para o interior da Quinta Nova da Assunção, em Belas, e o filmasse, apurou o Sintra Notícias. A cantora norte-americana esteve na propriedade, que pertence à Câmara, na passada quarta-feira para gravar parte de um novo videoclip que vai lançar, mas não foi autorizada a filmar a entrada de um cavalo no palacete. “Na passada sexta-feira a autarquia de Sintra informou, via email, que não estava autorizada a entrada de um cavalo dentro do palacete”, disse fonte da autarquia ao jornal local.

O palacete e os jardins da quinta serão os cenários escolhidos por Madonna para o seu mais recente projeto musical, iniciado quando a artista já vivia em Portugal. Mas, de acordo com a reportagem do Sintra Notícias, a empresa de produção do videoclip sabia que não havia autorização para o cavalo entrar dentro do edifício: “Apesar das mais variadas e abrangentes insistências, o município de Sintra deixou claro as condições subjacentes às filmagens da cantora”, disse a Câmara.

A versão da Câmara de Sintra é diferente da que foi contada pela Sapo, cuja fonte acusou a autarquia de ter permitido as gravações, que teriam sido interrompidas por um funcionário: “Na altura em que contactaram o município, parece que lhe disseram que o cavalo poderia entrar no palácio mas, quando se preparavam para o fazer, um dos funcionários teve de intervir. Trata-se de um edifício histórico”. O cavalo seria um puro-sangue lusitano. “Deve ser o que dizem que ela comprou na Comporta”, comenta a fonte.

Numa fotografia publicada esta quarta-feira, dia das gravações, no Instagram, Madonna surge com um hoodie preto e óculos de sol de lentes cor de rosa. A imagem é acompanhada pela mensagem: “Não tencionava trabalhava 17 horas num dia”. No mesmo dia, a cantora mostrou num vídeo como preparou a maquilhagem e o cabelo para o dia de gravações. A publicação tem a descrição: “A curtir” e as etiquetas “cansada”, “mal-humorada” e “bitch“, que em português pode ser traduzido para o adjetivo “cabra”.

Que palacete é este?

A Quinta Nova da Assunção foi erguida em 1860 por João Maria da Silva Rego e agora pertence à Câmara Municipal de Sintra. Depois de longos anos com as portas fechadas, a quinta foi reaberto pela autarquia no verão de 2015 — ano em que recebeu visitas guiadas. Agora pode ser explorada todos os dias entre 10h e as 18h entre outubro a março e das 10h às 19h de abril a setembro.

De acordo com a página da SintraQuorum, a empresa de gestão responsável por esta propriedade, a Quinta Nova da Assunção é famosa pelo salão chinês e pelo revestimento em trompe l’oeil das restantes divisões e corredores. O trompe l’oeil é uma técnica que cria ilusões óticas para que objetos bidimensionais sejam percecionadas pelo cérebro como tendo, na verdade, três dimensões.

Os jardins também são uma importante atração turística do palacete. Por lá é possível encontrar pequenos pavilhões, tanques e lagos. E, nas proximidades, também há uma parede cravada com azulejos coloridos.

Tudo isso pode ser visitado no Largo da Igreja, mesmo no centro de Belas, no número 27. Segundo a Direção-Geral do Património Cultural, embora esteja completada rodeada por muros e grades, a quinta e o palacete “destacam-se na malha urbana de Belas, impondo a sua sobriedade de linhas neoclássicas no denominado Largo da Igreja”. No lado de fora, a DGPC destaca “a sobriedade e simetria na abertura dos vãos, em arco de volta perfeita”. No lado de dentro, “são as pinturas a fresco que ganham especial significado”.