Apple

Apple cancela Airpower, o carregador sem fios que tinha anunciado em 2017

O AirPower era um mini-tapete carregador sem fios que, ao mesmo tempo, daria energia ao iPhone X, Apple Watch e AirPods. Foi anunciado em 2017 e era esperado pelo fãs, mas a Apple já não o vai lançar.

O AirPower foi anunciado em 2017, quando a Apple finalmente lançou produtos com carregamento por indução

Edgar Caetano

Em 2017, no décimo aniversário do lançamento do primeiro iPhone, a Apple mostrou o X, o smartwatch Series 3 e um carregador sem fios para isso tudo: o AirPower. Mostrou uma imagem (a que está no topo) e afirmou que este carregava até três equipamentos ao mesmo tempo (também os AirPod, os auriculares sem fios da Apple). A empresa tinha prometido que “em 2018” ia lançar o esperado carregador que, sem fios, carregava os iPhone mais recentes. Foi sempre esperado em cada evento, mas agora foi cancelado de vez.

Segundo o TechCrunch, que avançou a notícia, a Apple afirma que “concluiu que o AirPower não ia alcançar os elevados padrões” da empresa. A empresa fundada por Steve Jobs adiantou, contudo, que acredita que o futuro é “sem fios” e vai continuar a apostar nestas tecnologias.

O AirPower foi um dos produtos anunciados em 2017 que justificava a aposta da Apple em largar algumas funcionalidades dos iPhone, como uma entrada de auriculares tradicionais com fios. Este dispositivo permitia à empresa continuar a seguir a filosofia de reduzir ao máximo o número de cabos nos dispositivos, na construção aparelhos.

O mesmo jornal afirma que a Apple não vai lançar o AirPower por “um problema com as leis da física”. Para funcionar, as bobinas de carregamento 3D para vários dispositivos tinham de ficar muito perto um componente de energia. Essa proximidades fazia com que o AirPower aquecesse em demasia, tornando inviável lançar o produto com o design pretendido.

É bastante raro a Apple cancelar produtos, principalmente um que já foi anunciado. Nos últimos meses, a empresa tem tido bastantes críticas pela forma como são construídos alguns componentes dos seus dispositivos. A principal queixa tem sido dirigida aos teclados dos novos MacBook, criticados por problemas com teclas presas. Neste caso, Apple assumiu a falha e disse que está em trabalhar em melhorar os teclados.

[No Twitter têm sido recorrentes as queixas relativas aos novos teclados da Apple, que já não são como os dos MacBook Air de 2017]

Apesar de a Apple já não ir lançar este produto, há empresas que fabricam carregadores sem fios para vários dispositivos ao mesmo tempo que funcionam com os aparelhos da tecnológica americana. Outras empresas concorrentes da Apple, como a Samsung, a Huawei ou a Xiaomi, também têm apostado em equipamentos com carregamento por indução sem fios, mas todas lançaram carregadores com o nome das próprias marcas.

Esta segunda-feira, numa nova estratégia de negócio, a Apple anunciou novos serviços de software, num evento que não teve lançamento de dispositivos (o que também é raro com a empresa). Um cartão de crédito, um concorrente do Netflix e uma subscrição de revistas foram as novidades.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mmachado@observador.pt
Finanças Públicas

Como evitar um 4º resgate? /premium

Paulo Trigo Pereira

Portugal necessita de mais doze anos (três legislaturas completas) de crescimento económico e de finanças públicas quase equilibradas para sair da zona de risco financeiro em que ainda se encontra.

Brexit

Boris Johnson /premium

João Marques de Almeida

Em Londres, só um louco ou um suicida é que defenderiam o acordo assinado com a União Europeia. Resta saber se os líderes europeus terão a lucidez de reconhecer o evidente: o acordo que existe morreu.

Ambiente

A onda verde na UE e os nacionalismos

Inês Pina

Se hoje reduzíssemos as emissões de CO2 a zero já não impedíamos a subida de dois graus centígrados. E estes “míseros” dois graus vão conduzir ao fim das calotas polares e à subida do nível do mar.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)