Rádio Observador

Apple

Apple cancela Airpower, o carregador sem fios que tinha anunciado em 2017

O AirPower era um mini-tapete carregador sem fios que, ao mesmo tempo, daria energia ao iPhone X, Apple Watch e AirPods. Foi anunciado em 2017 e era esperado pelo fãs, mas a Apple já não o vai lançar.

O AirPower foi anunciado em 2017, quando a Apple finalmente lançou produtos com carregamento por indução

Edgar Caetano

Em 2017, no décimo aniversário do lançamento do primeiro iPhone, a Apple mostrou o X, o smartwatch Series 3 e um carregador sem fios para isso tudo: o AirPower. Mostrou uma imagem (a que está no topo) e afirmou que este carregava até três equipamentos ao mesmo tempo (também os AirPod, os auriculares sem fios da Apple). A empresa tinha prometido que “em 2018” ia lançar o esperado carregador que, sem fios, carregava os iPhone mais recentes. Foi sempre esperado em cada evento, mas agora foi cancelado de vez.

Segundo o TechCrunch, que avançou a notícia, a Apple afirma que “concluiu que o AirPower não ia alcançar os elevados padrões” da empresa. A empresa fundada por Steve Jobs adiantou, contudo, que acredita que o futuro é “sem fios” e vai continuar a apostar nestas tecnologias.

O AirPower foi um dos produtos anunciados em 2017 que justificava a aposta da Apple em largar algumas funcionalidades dos iPhone, como uma entrada de auriculares tradicionais com fios. Este dispositivo permitia à empresa continuar a seguir a filosofia de reduzir ao máximo o número de cabos nos dispositivos, na construção aparelhos.

O mesmo jornal afirma que a Apple não vai lançar o AirPower por “um problema com as leis da física”. Para funcionar, as bobinas de carregamento 3D para vários dispositivos tinham de ficar muito perto um componente de energia. Essa proximidades fazia com que o AirPower aquecesse em demasia, tornando inviável lançar o produto com o design pretendido.

É bastante raro a Apple cancelar produtos, principalmente um que já foi anunciado. Nos últimos meses, a empresa tem tido bastantes críticas pela forma como são construídos alguns componentes dos seus dispositivos. A principal queixa tem sido dirigida aos teclados dos novos MacBook, criticados por problemas com teclas presas. Neste caso, Apple assumiu a falha e disse que está em trabalhar em melhorar os teclados.

[No Twitter têm sido recorrentes as queixas relativas aos novos teclados da Apple, que já não são como os dos MacBook Air de 2017]

Apesar de a Apple já não ir lançar este produto, há empresas que fabricam carregadores sem fios para vários dispositivos ao mesmo tempo que funcionam com os aparelhos da tecnológica americana. Outras empresas concorrentes da Apple, como a Samsung, a Huawei ou a Xiaomi, também têm apostado em equipamentos com carregamento por indução sem fios, mas todas lançaram carregadores com o nome das próprias marcas.

Esta segunda-feira, numa nova estratégia de negócio, a Apple anunciou novos serviços de software, num evento que não teve lançamento de dispositivos (o que também é raro com a empresa). Um cartão de crédito, um concorrente do Netflix e uma subscrição de revistas foram as novidades.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mmachado@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)