O Burger King lançou um hambúrguer que parece carne e sabe a carne, mas não é carne, noticia o The Guardian. Feito de plantas, e criado pelo poder da tecnologia, o chamado Impossible Burger (Hamburguer Impossível) foi apresentado em janeiro na CES, uma feira de comércio em Las Vegas, nos Estados Unidos. Na altura, soube-se que ia começar a ser lançado em fevereiro em alguns restaurantes. Hoje, é a cadeia de fast food norte-americana que começa a vender o Impossible Whopper (a imitar um hamburger de carne já existente) em 59 estabelecimentos em St Louis, Missouri.

CES. Do 5G à carne tecnológica e peluches robô: 7 tecnologias que vão marcar 2019

O hambúrguer impossível foi feito pela impresa californiana Impossible Foods (Comidas Impossíveis) e está pensado para, literalmente, sangrar, como a carne mal passada que todos conhecemos. No que toca ao sabor de carne de vaca, é usada a proteína ferro, geneticamente modificada para o efeito. E o Burger King garante que o Impossible Whopper sabe tão bem quanto o clássico Whopper. O presidente da cadeia norte-americana, Christopher Finazzo, disse que foi feito um “teste cego” com “pessoas do escritório” e “praticamente ninguém consegue sentir a diferença”. O restaurante de fast food já tinha opções vegan há muitos anos, mas este é o primeiro hambúrguer vegan que sabe a carne e pode ser apreciado por pessoas vegan e não vegan.

O novo hambúrguer do Burger King vai ser vendido por mais um dólar do que a versão de carne de vaca. Isto porque os custos de produção de produtos à base vegetal também são superiores do que os daqueles à base de carne. Mas a empresa de criou este tipo de “carne”, a Impossible Foods, foca-se na sustentabilidade ambiental. Já que a agropecuária é uma das maiores fontes de emissão de gases de efeito de estufa, gasto de água e poluição.

Mas o Burger King já recebeu críticas. É que este tipo de alimentos contêm fermento geneticamente modificado, poucos ingredientes orgânicos, soja processada e gorduras saturadas. Para além dos riscos para a saúde, a cadeia de restaurantes foi criticada pelo ativistas de direitos do animais, por testar os produtos inovadores em ratos.