Rádio Observador

Aníbal Cavaco Silva

Cavaco nomeou diretamente a cunhada em Belém

12.189

Antigo Presidente nomeou cunhada para assessorar a sua mulher em Belém. Margarida Mealha foi escolhida pela "confiança pessoal", mas também pelo "mérito no privado"... ligado ao setor marítimo.

Maria Cavaco Silva, até 2006 teve a sua vida profissional como professora, ee "quis ser acompanhada nas suas actividades por alguém da sua confiança pessoal", responde gabinete do ex-PR

ANTONIO COTRIM/LUSA

Não é só nos governos de Cavaco Silva (entre 1985 e 1995) que se encontram ligações familiares. Nos anos em que esteve na Presidência, a Casa Civil contou sempre com uma colaboração próxima da primeira-dama que era sua própria familiar. Margarida Mealha Santos Silva é cunhada de Maria Cavaco Silva e assessorou-a no Gabinete de Apoio ao Cônjuge criado pelo antecessor em Belém, Jorge Sampaio.

A informação foi confirmada ao Observador pelo gabinete do ex-Presidente Cavaco Silva que garante que aquele gabinete de apoio “nunca teve quaisquer funções ligadas à ação política e constitucional do Presidente da República, apenas e exclusivamente de apoio à atividades essencialmente de cariz social e cultural da sua mulher, em particular a intensa ação desenvolvida junto das associações de apoio aos deficientes”.

Questionado sobre as motivações que levaram Cavaco Silva a nomear um familiar para um cargo na Casa Civil, o mesmo gabinete esclarece que “a Dra. Maria Cavaco Silva, que até 2006 teve a sua vida profissional como professora, quis ser acompanhada nas suas atividades por alguém da sua confiança pessoal“. Além disso, “essa confiança foi reforçada pelo conhecimento do mérito da Margarida Mealha no seu percurso profissional no sector privado, onde tinha um cargo de direção numa empresa ligada ao sector dos transportes marítimos”. Maria Margarida Dias Mealha Santos Silva era, antes de ir para Belém, chefe de serviços da Sadomarítima da Agência de Navegação e Trânsitos, onde foi requisitada.

“A ligação familiar nunca foi escondida”, argumenta ainda o mesmo gabinete que responde num texto de dois parágrafos às oito perguntas enviadas pelo Observador, deixando sem resposta a que dizia respeito ao salário auferido pela assessora de Maria Cavaco Silva durante os tempos em que esteve em funções, por falta de informação concreta. A sua presença ao lado da antiga primeira-dama era constante e muitas vezes referida nas revistas do social como sua “cunhada e braço direito”.

Apesar de o Gabinete do antigo Presidente referir que “Margarida Mealha esteve sempre adstrita ao Gabinete de Apoio ao Cônjuge”, as suas funções foram alteradas. Em 2006, no arranque do primeiro mandato presidencial, foi nomeada adjunta do Gabinete de Apoio ao Cônjuge do Presidente da República. A partir de 2009, passou a estar sozinha, por isso foi exonerada de adjunta e novamente nomeada assessora, desta vez, diretamente da Casa Civil, em janeiro. Foi reconduzida no cargo no segundo mandato de Cavaco Silva, em 2011. No final do mandato, foi agraciada — um reconhceimento habitual dos Presidentes, no fecho do mandato, dos que constituíram o seu gabinete — com o grau de grande-oficial da Ordem do Infante D. Henrique.

Quando foi primeiro-ministro, no segundo Governo, Cavaco Silva já tinha sido notícia por ter nomeado o cunhado, António Vieira Santos Silva (irmão de Maria Cavaco Silva, por parte do pai que enviuvou muito cedo — a mãe da antiga primeira-dama morreu aos 24 anos) como vogal do conselho de administração da Cimpor. O despacho de 7 de julho de 1994 é assinado pelo secretário de Estado Adjunto e das Finanças, António José Fernandes de Sousa, era Eduardo Catroga o responsável máximo nas Finanças. De acordo com o que foi noticiado na imprensa na altura, a nomeação para a empresa pública tinha acontecido “a poucos dias da privatização” da mesma. Na década de 70 (antes do cavaquismo), António Santos Silva, engenheiro mecânico, tinha já administrado várias empresas públicas. Naquela altura era quadro da Petrogal.

Artigo alterado com a retirada da referência à acumulação de funções com docência. Era apenas uma hipótese aberta no despacho, mas Margarida Mealha não acumulava.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rtavares@observador.pt
Crónica

Cavaco não tem saco para falar do saco /premium

Tiago Dores

Cavaco sempre foi um homem das contas. Menos das contas relativas ao financiamento da sua campanha para as Eleições Presidenciais de 2011. Dessas não fazia ideia rigorosamente nenhuma, como é óbvio.  

Política

Manual de evasão governamental /premium

Rui Ramos
527

A estagnação da economia e a estatização da sociedade tinham de dar nisto, numa política reduzida a um círculo fechado de amigos e de parentes. Mas em vez de enfrentarmos isso, ataquemos Cavaco Silva.

Governo

Como impedir o "bingo da trafulhice"? /premium

Luís Rosa
238

Podemos mesmo confiar em políticos que não quiseram defender a transparência e querem agora construir às três pancadas' uma lei para evitar novos familygate? Só pode ser uma receita para o desastre.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)