Rádio Observador

Benfica

O Benfica mais goleador dos últimos 40 anos chegou ao top 5 da Europa (aos pés de Pizzi e Rafa)

2.340

Desde 1976 que o Benfica não marcava tantos golos na Liga e essa ditadura do golo que nasce no modelo de jogo implementado por Bruno Lage não passa apenas pelos avançados – Pizzi e Rafa que o digam.

Tiago Sá bem tentou evitar a goleada mas Rafa, no final do encontro, sentenciou o 4-1 final após a desvantagem ao intervalo

Miguel Pereira

Dois jogos, 180 minutos, 13 golos. Se houve duelo que trouxe festejos na presente edição do Campeonato foi o Sp. Braga-Benfica, primeiro na Luz e depois da Pedreira, mas com a balança muito desequilibrada a favor dos encarnados que marcaram um total de dez, oito dos quais no decorrer da segunda parte. Do lado dos minhotos, e aliando a isso os (maus) resultados alcançados também com FC Porto e Sporting, é motivo de reflexão numa perspetiva de um dia ambicionar a lutar pelo título; do lado dos lisboetas, é sobretudo a confirmação de uma regra na presente temporada – a facilidade de chegar com sucesso à baliza contrária.

É preciso recuar a 1976, quando o Benfica apontou um total de 94 golos, para encontrar uma época tão profícua no Campeonato como esta. Aliás, com três encontros ainda por disputar, é muito provável que os encarnados consigam entrar no top 5 das temporadas com mais golos de sempre na prova, ameaçando o top 3 que tem como último lugar no pódio o ano de 1947, com 99 golos. Em paralelo, e contabilizando os remates certeiros para todas as competições, é preciso ir ainda mais longe na história – os 128 golos apontados até ao momento são apenas superados pela equipa de 1965 liderada por Elek Schwartz.

Contas feitas, apenas existem quatro equipas na Europa que somam nesta altura da época mais golos do que as águias, contando com todas as competições: o Ajax (160), o Manchester City (156), o PSG (139) e o Barcelona (130). De forma natural, os olhos nestas contas centram-se de imediato nas unidades mais atacantes, casos de Seferovic ou João Félix. No entanto, e tratando-se também do reflexo do novo modelo de jogo implementado por Bruno Lage na equipa depois da saída de Rui Vitória, Pizzi e Rafa são os melhores exemplos de como o Benfica consegue carburar em termos individuais e coletivos.

Pizzi, que em Braga bisou de grande penalidade além de ter feito a assistência para o terceiro golo de Rúben Dias na sequência de um canto, carimbou no Minho aquela que é a sua melhor temporada de sempre a vários níveis: além de ter superado os 13 golos apontados na época de 2016/17, que eram o seu recorde num só ano, o internacional português passou a ter 12 golos e 18 assistências nos 31 encontros realizados para o Campeonato, sendo o jogador com mais influência – e que está em 33% dos golos dos encarnados. Para se ter uma ideia da influência do médio nascido em Bragança, basta recordar que, nos 11 primeiros remates do conjunto de Bruno Lage na Pedreira, três foram seus e quatro tiveram os seus passes.

Já Rafa, que marcou pela primeira vez à anterior equipa (não celebrando por isso o golo, como fez questão de manifestar com os braços levantados a pedir desculpa), chegou aos 17 golos, naquela que é a sua melhor temporada de sempre no capítulo da finalização – 13 no Campeonato, dois na Taça de Portugal e dois na Taça da Liga. Mais impressionante ainda, e não se tratando de um avançado puro, apenas três jogadores têm melhor média de aproveitamento por minuto no Campeonato: o internacional marca um golo por cada 126 minutos, atrás de Seferovic (89′), Bas Dost (109′) e João Félix (114′).

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: broseiro@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)