O duelo entre Sp. Braga e Sporting no futebol feminino é relativamente recente, com o primeiro jogo entre as duas formações a realizar-se em outubro de 2016 quando os dois clubes investiram em força na modalidade. Daí para cá, em cerca de dois anos e meio, houve já dez encontros e com uma completa inversão de tendência na presente época para as duas anteriores.

Em 2016/17, depois do nulo no Minho, um penálti de Solange Carvalhas nos descontos em Alvalade deu a vitória às leoas, que deram então um passo de gigante para assegurarem a conquista do Campeonato. Mais tarde, no Jamor, a formação verde e branca voltaria a levar a melhor, vencendo a final da Taça de Portugal no prolongamento com um golo de Ana Capeta (2-1). Nova temporada, o mesmo rumo: o Sporting conseguiu começar com um triunfo na Supertaça frente às minhotas no tempo extra (3-1), ganhou em Braga para o Campeonato (2-1), alcançou um nulo na segunda volta que serviu para garantir nova conquista do Campeonato e arrecadou mais uma Taça de Portugal após prolongamento (1-0 com golo de Diana Silva).

Esta época, tudo mudou e, depois da Supertaça ganha pelo Sp. Braga ao Sporting no desempate por grandes penalidades (1-1, 5-4 g.p.), as minhotas agora comandadas por Miguel Santos conseguiram um convincente triunfo em Alcochete por 2-0 com golos de Hannah Keane e Farida Machia e deram um passo muito importante para poderem quebrar a hegemonia verde e branca no Campeonato – além desse encontro, as leoas tiveram apenas mais um empate fora com o Marítimo, ao passo que as arsenalistas tiveram apenas uma igualdade em casa com o Estoril. Assim, e já depois de se terem defrontado nos oitavos da Taça de Portugal com vantagem para as minhotas por 3-1, o encontro desta tarde no 1.º de Maio era decisivo.

Não sendo propriamente um jogo sem grandes oportunidades, apesar de duas grandes defesas feitas pela guarda-redes leonina Patrícia Morais, as bracarenses conseguiram manter o nulo e asseguraram já na penúltima jornada o título, beneficiando da vantagem no confronto direto com o Sporting pelo triunfo na primeira volta. Em paralelo, as minhotas voltaram a terminar a competição com mais de 100 golos, sendo o melhor ataque da prova.