Com uma coisa todas os fashionistas, em particular as mulheres, terão de concordar — há poucas peças tão desprovidas de graça (ou daquilo a que normalmente costumamos chamar “pinta”) do que aquelas que, regra geral, são feitas para grávidas. Não admira, por isso, que Meghan Markle tenha optado por contornar, nos últimos meses, todos aqueles clássicos de um guarda-roupa pré-natal — das calças elásticas às túnicas e vestidos, cuja quantidade de tecido faz com que pareçam verdadeiras tendas. Ela que, além de ex-atriz, duquesa de Sussex e mulher do sexto na linha de sucessão ao trono britânico, é um ícone de estilo — pelo menos, para a maioria dos que lhe seguem os passos na imprensa e nas redes sociais.

A gravidez foi oficialmente anunciada no dia 15 de outubro de 2018, praticamente cinco meses depois de Harry e Meghan terem dito o sim em Windsor e poucos dias após o casamento da princesa Eugenie — neta da rainha, prima de Harry –, momento em que o azul escuro e o casaco apertado de Markle levantaram as primeiras suspeitas em torno do ventre da duquesa.

Meghan Markle, a 24 de fevereiro, durante a visita a Marrocos © Kirsty Wigglesworth – Pool/Getty Images

Após o comunicado, divulgado pelo Palácio de Kensington, o casal partiu para uma viagem de 16 dias. A agenda foi preenchida, com estadias na Austrália, Fiji, Tonga e Nova Zelândia, receções de estado e com o guarda-roupa de Meghan Markle a oscilar entre vestidos de cocktail e saltos altos e modelitos de praia campo, ténis e sandálias. As contas são fáceis de fazer — se Markle chegou aos nove meses de gestação na segunda quinzena do mês de abril, terá viajado para a Austrália algures entre os três e os quatro meses de gravidez.

Na verdade, o tamanho da barriga nessa fase da gravidez não obriga a grandes adaptações na indumentária. No caso de Meghan, aquando a visita oficial a estes quatro países, o facto de estar grávida não parece ter interferido nas escolhas, embora o diário de estilo tenha ficado marcado pela descontração dos visuais nos momentos em que os cenários e os anfitriões assim o permitiram. A partir daí, as opções de Meghan continuaram fiéis ao estilo que construiu desde a sua chegada à família real britânica. Mesmo de barriga saliente, a duquesa não dispensou os básicos de sempre — blazers, sobretudos robustos, vestidos pelo joelho, golas altas e uma paleta de cores que, volta e meia, bate nos clássicos beges e crus.

Em dezembro do ano passado, Meghan escolheu um vestido Brock Collection para uma visita à Royal Variety Charity, em Londres © GEOFF PUGH/AFP/Getty Images

Também no que toca a marcas e designers, Meghan não abriu mão dos seus favoritos. Givenchy, Oscar de la Renta e Stella McCartney são escolhas recorrentes, mesmo durante a gravidez, ao mesmo tempo que continuou a usar peças de marcas como J. Crew, H&M, Aritzia e Alice and Olivia. Raramente optou por silhuetas largas, preferindo peças mais justas que lhe evidenciassem a barriga — duas das exceções mais flagrantes foram durante a visita dos duques de Sussex a Marrocos, no final de fevereiro, quando Meghan escolheu dois longos e fluidos vestidos, Dior e Carolina Herrera, para momentos solenes (veja os visuais na fotogaleria).

Os saltos altos mantiveram-se presentes (Manolo Blahnik, Aquazzura e Stuart Weitzman são as suas marcas favoritas), pelo menos até à última aparição pública, a 19 março, e sempre que a formalidade da situação o exigiu. Meghan pode não ter escolhido usar as roupas típicas de uma grávida, mas optou certamente por peças confortáveis. A busca terá levado a duquesa de Sussex até à Hatch, uma marca norte-americana que já tinha conquistado clientes como Jessica Alba, Khloe Kardashian e Amy Schumer. Criada em 2011, as suas coleções caracterizam-se pela versatilidade. As peças são pensadas para serem intemporais e poderem ser usadas em várias situações, e não só por mulheres grávidas.

Quando, publicamente, Markle usou o seu vestido Hatch pela primeira vez, a marca ficou debaixo dos holofotes. A peça, que a duquesa levou numa visita a uma organização solidária, a 10 de janeiro, esgotou em três dias. O modelo foi, mais tarde, relançado, e voltou a esgotar. Mais tarde, no final de fevereiro, a ex-atriz voou até Nova Iorque e voltou a aparecer com uma peça Hatch, umas calças de ganga, combinadas com um casaco Courrèges… vintage.

Na fotogaleria, percorremos o guarda-roupa de Meghan Markle, desde o início da gravidez às últimas aparições públicas da duquesa.