Rádio Observador

Moda

Hatch: conheça a marca de roupa que conquistou Meghan Markle durante a gravidez

Chama-se Hatch, foi criada em 2011 e acaba de pôr algumas das suas peças mais populares à venda na Nordstrom. A marca tem sido uma das favoritas de Meghan Markle durante a gravidez. Mas porquê?

Meghan Markle pode muito bem ter catapultado a Hatch para o sucesso. A marca acaba de chegar ao gigante do e-commerce Nordstrom

AFP/Getty Images

A simplicidade e o carácter versátil das roupas da Hatch terão conquistado Meghan Markle. Prestes a dar à luz o primeiro filho, a duquesa de Sussex acendeu o foco sobre a marca norte-americana, aparentemente já uma favorita entre celebridades como Jessica Alba, Khloe Kardashian e Amy Schumer. O dia 10 de janeiro foi um dos momentos em que a escolha da princesa recaiu sobre uma destas peças. O vestido preto, de 218 dólares (195 euros), foi usado para visitar a Smart Works, uma associação apoiada por Meghan e que providencia consultoria de imagem a mulheres desempregadas com entrevistas agendadas. Combinou-o com um casaco bege Oscar de La Renta e com uns sapatos de salto alto Gianvito Rossi.

Meghan Markle e o seu vestido Hatch, em janeiro deste ano © BEN STANSALL/AFP/Getty Images

Afinal, o que é que a Hatch tem de tão especial? Fundada em 2011 por Ariane Goldman, as suas roupas são desenhadas para mulheres, estejam elas grávidas ou não. De forma a contornar os visuais que, regra geral, são pouco apelativos, a marca aposta em peças intemporais, que possam ser usadas em diversas ocasiões. Prova disso é o facto de, na loja online, todas as peças poderem ser vistas em modelos com e sem barriga de grávida. “Quando estava grávida, nenhuma marca falava para mim, por isso quis ser eu a começar essa conversa”, afirmou Goldman, numa entrevista dada à Forbes, em outubro do ano passado.

Da roupa, o negócio expandiu-se para a cosmética, com a Hatch Mama, linha de produtos de beleza feitos unicamente com ingredientes naturais. Na mesma entrevista, Ariane Goldman, que antes de ser empresária foi uma executiva de Wall Street, revelou que 97% das fórmulas seguidas em laboratório são compostas por ingredientes botânicos.

Lookbook de primavera da Hatch © Hatch

Antes de fundar a Hatch, Goldman já tinha criado a sua própria marca de roupa para noivas. Hoje, com o sucesso deste guarda-roupa chique e minimalista para mães, a empresária prepara-se para ver o negócio crescer (a primeira loja abriu em Nova Iorque no final de 2017). Na última semana, foi anunciada a chegada de uma pop-up store dentro da Nordstrom, gigante da moda online, com uma seleção de best-sellers. Dos Estados Unidos para o mundo, os visuais de grávida de Meghan Markle nunca estiveram tão à mão de semear. Os preços da coleção, agora disponível nos quatro cantos do mundo, vão dos 11 aos 565 euros. Inclui produtos de beleza, vestidos, fatos de banho e biquínis, roupa interior, acessórios de moda e estacionário.

“Estamos muito felizes por colaborar com a Nordstrom e por fortalecer e expandir esta comunidade que criámos online e através das nossas lojas físicas em Nova Iorque e em Los Angeles. Mal posso esperar para apresentar o nosso mundo aos clientes da Nordstrom”, afirmou Goldman através de comunicado, na última semana.

Enquanto isso, continua a contagem decrescente para o nascimento do bebé real. O filho ou filha de Meghan e Harry, que completam um ano de casamento no próximo dia 19 de maio, pode nascer a qualquer momento. A especulação é mais do que muita — no que toca a possíveis nomes, mas também ao local do nascimento. Tudo leva a crer que será numa hospital público e sem a exposição mediática dos três filhos de William, à frente de Harry na linha de sucessão ao torno britânico.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mgoncalves@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)