Rádio Observador

Seleção Nacional

Fernando Santos destaca “grande qualidade” da Suíça e admite estrear João Félix

Fernando Santos diz que é errado pensar que no passado não havia talento na seleção. Garante que Félix foi convocado porque está pronto a jogar e admite dificuldades frente à Suíça esta quarta-feira.

JOSE COELHO/EPA

O selecionador Fernando Santos afirmou esta terça-feira que Portugal vai defrontar uma Suíça de “grande qualidade”, nas meias-finais da Liga das Nações de futebol, e assumiu que João Félix poderá estrear-se quarta-feira frente aos helvéticos, no Estádio do Dragão.

Se não estivesse pronto a jogar, não estava convocado. Quando eu convoco um jogador, não tem a ver com a sua idade, tem a ver com sua capacidade. Se foi convocado, é porque está pronto a jogar. Se eu entender, claro”, afirmou Fernando Santos, no Porto.

O selecionador português falava aos jornalistas na conferência de imprensa de antevisão do embate com os suíços, que marca o arranque da primeira fase final da Liga das Nações e da primeira competição internacional que Portugal recebe desde o Euro2004.

Habitualmente, Cristiano Ronaldo desperta grande interesse e curiosidade nos jornalistas estrangeiros, que estiveram em força na sala de imprensa do Dragão, mas desta vez o capitão da seleção portuguesa foi esquecido e as atenções viraram-se para João Félix, com algumas perguntas sobre o avançado do Benfica, que ainda nem fez o seu primeiro jogo pela seleção nacional.

Fernando Santos considerou de “irrelevante” o episódio dos assobios a Félix, na sua chegada à concentração da seleção nacional, e preferiu alertar para os perigos da Suíça, que vem ao Porto com a “natural ambição de ganhar”. “É uma Suíça de grande qualidade, que tem crescido muito desde 2014. Está aqui por mérito próprio. Eliminou a Bélgica e teve jogadores nas duas finais de clubes da UEFA”, lembrou o técnico de 64 anos.

Fernando Santos assumiu que, atualmente, existe “muito talento” na seleção portuguesa, mas não se mostrou preocupado com as opções que vai ter que tomar na altura de escolher o ‘onze’ que vai defrontar a Suíça.

Dizer que hoje há mais talento e no passado não havia talento, é completamente errado. Portugal tem talento há 20 anos. Isto não é novo. Lembro-me no Euro2004, quando se falava se devia jogar o Rui Costa ou o Deco. Portugal tem 20 jogadores de campo com um enorme talento e vamos encontrar a melhor equipa para ganhar à Suíça”, frisou o selecionador nacional.

Desafiado pelos jornalistas a revelar o onze que vai utilizar nas meias-finais da Liga das Nações, Fernando Santos negou fazer qualquer revelação e até brincou com a situação: “Não é hoje que vos vai sair o totoloto. Lamento.”

O Portugal-Suíça está agendado para as 19h45 e terá arbitragem do alemão Felix Brych. Na quinta-feira, Inglaterra e Holanda disputam a outra meia-final da Liga das Nações, no Estádio D. Afonso Henriques, em Guimarães, também às 19h45.

Os vencedores disputam a final da primeira edição da Liga das Nações, em 9 de junho, no Estádio do Dragão, em encontro com início às 19h45, enquanto os vencidos decidem no mesmo dia a atribuição dos terceiro e quarto lugares, no Estádio D. Afonso Henriques, às 15h00.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)