Rádio Observador

10 de junho

Comemorações do 10 de junho entre domingo e terça-feira de Portalegre ao Mindelo, em Cabo Verde

No dia 10 de junho Marcelo Rebelo de Sousa e António Costa terão um programa intenso em Cabo Verde, dividido pelas ilhas de Santiago e de São Vicente, com oito pontos de agenda num dia e meio.

Em Cabo Verde residem, no total, cerca de 18 mil portugueses, dispersos por várias ilhas

MÁRIO CRUZ/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

As comemorações do Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas, com a participação do Presidente da República e do primeiro-ministro, vão realizar-se entre domingo e terça-feira, de Portalegre ao Mindelo, em Cabo Verde.

Segundo um programa divulgado pela embaixada de Portugal na Cidade da Praia, Marcelo Rebelo de Sousa e António Costa terão um programa intenso em Cabo Verde, dividido pelas ilhas de Santiago e de São Vicente, com oito pontos de agenda num dia e meio.

No dia 10 de junho, segunda-feira, o chefe de Estado irá discursar, de manhã, numa cerimónia militar em Portalegre, e depois viajará com o primeiro-ministro e com o Presidente de Cabo Verde, Jorge Carlos Fonseca, para a Cidade da Praia, onde fará o seu segundo discurso, ao final do dia, numa receção à comunidade portuguesa.

Em Cabo Verde residem, no total, cerca de 18 mil portugueses, dispersos por várias ilhas. Esta cerimónia, com atuações musicais do cantor cabo-verdiano Tito Paris e da fadista portuguesa Raquel Tavares, decorrerá na Escola Portuguesa de Cabo Verde, onde o Presidente da República e o primeiro-ministro regressarão na manhã seguinte, para inaugurar o parque desportivo.

O dia de terça-feira será, contudo, concentrado no Mindelo, na ilha de São Vicente, com um programa que inclui uma visita a uma exposição de arte contemporânea, um passeio a pé e um convívio com jovens desportistas na companhia do futebolista Eliseu, ex-jogador do Benfica, que integrou a seleção nacional campeã da Europa em 2016 e que tem dupla nacionalidade, portuguesa e cabo-verdiana.

O programa irá terminar com uma receção à comunidade portuguesa, num hotel do Mindelo, e inclui ainda um almoço com autoridades locais numa fragata da Marinha Portuguesa e um desfile militar das Forças Armadas de Cabo Verde que integrará uma representação de Portugal.

Da mesma forma, haverá uma representação de Cabo Verde a participar no desfile das Forças Armadas Portuguesas, na Cerimónia Militar Comemorativa do Dia de Portugal em Portalegre, na qual discursará, além de Marcelo Rebelo de Sousa, o jornalista João Miguel Tavares, que é natural desta cidade e preside à comissão organizadora destas comemorações do 10 de junho.

Esta cerimónia irá juntar o Presidente da República, o primeiro-ministro, o presidente da Assembleia da República, Eduardo Ferro Rodrigues, e também o chefe de Estado cabo-verdiano, Jorge Carlos Fonseca, de acordo com um comunicado da Presidência da República.

As comemorações do Dia de Portugal em Portalegre terão início no dia anterior, domingo, 09 de junho, de manhã, com a presença de Marcelo Rebelo de Sousa numa cerimónia do içar da bandeira nacional, junto ao Monumento aos Mortos da Grande Guerra.

Terá depois lugar, no Convento de Santa Clara, a apresentação de cumprimentos do corpo diplomático acreditado em Portugal, seguida de almoço e uma visita do chefe de Estado e Comandante Supremo das Forças Armadas ao Museu da Tapeçaria de Portalegre.

Em 2016, ano em que tomou posse como Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa lançou um modelo inédito de comemorações do Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas, acertado com o primeiro-ministro, António Costa, em que as celebrações começam em território nacional e se estendem a um país estrangeiro com comunidades emigrantes.

Nesse ano, o Dia de Portugal foi celebrado entre Lisboa e Paris. Em 2017 as comemorações foram no Porto e nas cidades brasileiras do Rio de Janeiro e São Paulo. E em 2018 dividiram-se entre Ponta Delgada, nos Açores, e as cidades de Boston, Providence e New Bedford, na Costa Leste dos Estados Unidos da América. Neste ano, decorrem em Portalegre e em Cabo Verde.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Crónica

Em Portugal pensa-se pouco Inês Pedrosa /premium

José Diogo Quintela
2.988

Inês Pedrosa é porteira do 10 de Junho e não vai franquear a subida ao púlpito de alguém que meramente “pensa em Portugal”, nem de quem apenas “pensa sobre Portugal”. Não, exige quem “pensa Portugal".

10 de junho

A função social da esquerda /premium

Rui Ramos
616

Talvez a direita, noutros tempos, tenha tido o papel de nos lembrar que não somos todos iguais. As reacções ao discurso de João Miguel Tavares sugerem que essa função social é hoje da esquerda.

Crónica

Portugal, país-slime /premium

Helena Matos
1.256

Estão a ver aquela massa viscosa com que as crianças se entretêm? O slime, claro. Portugal está a tornar-se num país-slime, onde os valores são moldados a gosto e a responsabilidade não  existe.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)